25/05/2015 - Categoria: 513 podcast - Autor(a): Dyego Cruz

513 Podcast #41 - E se...

E se no 513 de hoje, Mariana Fernandes, Dyego Cruz e Pedro Farias falassem sobre várias suposições e teorias sobre suas vidas e sobre mais outras coisas que poderiam mudar se tivessem ocorrido de outra forma? E se o programa todo for apenas uma música do Dream Theater tocando?

Créditos:

  • Capa: Mariana Fernandes
  • Trilha de começo e fimPedro de Farias 
  • Edição: Dyego Cruz

Comentados no podcast

Olha o FEED!

  • Para adicionar o 513 no seu agregador preferido, basta usar esse link do feed, caso queria assinar diretamente do iTunes, clique aqui.

Siga a gente no twitter!

Redes Sociais

E-mails e comentários

  • Envie sugestões, comentários, críticas e o que mais você quiser falar sobre o podcast e da gente para 513@modomeu.com.

22/05/2015 - Categoria: Música - Autor(a): Mariana Fernandes

Rock da adolescencia

Não sei você, mas no fim dos anos 90 e começo de 2000 eu era uma pequena adolescente com os gostos musicais em formação. Uma garota saindo dos rocks clássicos ouvidos pelo pai, mais Chiquititas e Sandy e Junior, até virar aborrencente e entrar em um mundo de influências das amigas (girls e boy bands) e os próprios “achados”, no meu caso, eram os rocks que bombavam na Tv. Nessa onda de rocks de todos os estilos, vou apresentar-lhes 5 deles que mais me marcaram nesse período.

BonJovi

1. Bon Jovi

Deixando todo o preconceito de lado que existem sobre a banda, nesse período Bon Jovi bombou com diversas músicas como: It’s My Life, All About Lovin’ You, mas o meu primeiro contato com a banda foi com Misunderstood, o clipe que o cara acabava pelado no final e me fez amar esse tipo de clipe que conta história.

Blink-182

2. Blink 182

Se existem boy bands para influenciar um padrão social aos jovens, claro que vão existir bandas de rock para quebrar com tudo isso, e Blink 182 ganhou fama por conta disso. O clipe da música “First Date“, é um exemplo claro dessa rebeldia bem humorada que eu passei a amar.

System- Of a Down

3. System Of a Down

Sabe aquela banda que os seus pais tem medo que você escute? Essa era System Of a Down para minha mãe, que me achava meio maluca por escutar, mas nunca me proibiu de escutar, ao contrário do que aconteceu com Slipknot que agradeço, pois atualmente não gosto nem um pouco. Sei que a música mais famosa deles é “Chop Suey!“, mas a minha predileta da época e até agora é “Lonely Day“.

Evanecense

4. Evanescence

De repente surge no meu mundo bandas com vozes femininas e Amy Lee foi a primeira delas. Passei bons anos apaixonada pela banda, mas o meu amor acabou junto com o fim da adolescência e ainda hoje gosto da música “Bring Me To Life“.

Keane

5. Keane

Daí me vem o um dos estilos que mais gosto até hoje e uma banda que quase ninguém lembra da existência, porém sabe cantarolar “Somewhere Only We Know“. Keane, por mais que não tenha ganho tanta fama, tem bons trabalho que sigo até hoje.

Bem, estão aí algumas bandas que conheci no período de adolescência, espero que goste!


21/05/2015 - Categoria: Série - Autor(a): Dyego Cruz

game-of-thrones-poster

De uns tempos pra cá, falar sobre Game of Thrones tem se tornado cada vez mais parecido como um problema político e religioso. E atualmente tem se tornado meio estranho, pois tenho visto muitas críticas a coisas que acontecem desde o início da primeira temporada (há uns CINCO anos atrás), mas que nunca foram nem sequer comentadas como comentam sobre algumas cenas mais recentes.

A polêmica mais comentada sobre a série atualmente, é de como as mulheres tem se tornado cada vez mais “fracas”, mais “usadas” e mais seja lá o que andam falando por aí devido ao fato da investida dos produtores em cenas de violência contra a mulher e principalmente as cenas de estupro.

Fico pensando o que foi que mudou desde o início da série em 2011, pois antes da quarta temporada ocorreram vários atos de violência, tanto verbal quanto física, contra a mulher, mas não vi nenhuma pessoa sequer criticar o que houve.

game of thrones - Viserys e Daenerys

Coisas como alguns dos diálogos entre Viserys e Daenerys Targaryen tipo “Quer acordar o dragão, sua putinha estúpida? O khalasar de Drogo era meu. Eu o comprei dele, mil gritadores. Paguei por eles com sua virgindade.“. Esse é um dos mais leves e no livro acontecem umas coisas bem piores do que esse tipo de conversa quando o “dragão acorda”.

A cena em que Drogo “monta” Daenerys e a cena em que Mirri Maz Duur fala que havia sido estuprada três vezes antes de ser “salva” e não vi ninguém até hoje falando sobre o assunto.

O ponto que estou querendo chegar, é que a série continua a mesma coisa que era no seu início, mas atualmente as pessoas, tanto homens quanto mulheres, estão cada vez mais incomodados com certas realidades que são mostradas, pois mesmo sendo um mundo de fantasia com dragões, bruxas, wargs, gigantes, caminhantes brancos e sei lá mais o que, não é por isso que coisas que fazem parte da realidade do mundo em que a série foi inspirada possa deixar de ser mostrada.

Aviso de amigo, a partir daqui terão Spoilers da quinta temporada, então se ainda não assistiu, pare de ler aqui e agora.

Game ot thrones - 5 temporada - Sansa and Ramsayt

Não estou dizendo que apoio essa violência toda e que as mulheres não deveriam ter força/poder assim como elas tem nos livros, muito pelo contrário, eu concordo que elas deveriam sim ter mais espaço e menos nudez na série, mas as vezes acho que quem tá reclamando disso tudo não chegou a ler nenhum, pois aquela cena do episódio “S05E06 – Unbowed, Unbent, Unbroken”, em que Sansa Stark é estuprada por Ramsay Snow Bolton com o Fedor Theon Greyjoy assistindo, no livro é com outra personagem e acontece algo MUITO PIOR.

Teve também aquela polêmica cena de Jaime e Cersei Lannister em frente ao corpo de Joffrey, que até onde entendi, foi o que encadeou toda essa discussão sobre o excesso de violência contra a mulher, mas que de alguma forma mágica e milagrosa, fez com que ninguém conseguisse lembrar do que foi dito e mostrado nas temporadas anteriores.

A série está sim tendo várias adaptações e mudanças se comparado a história dos livros em que ela se inspirou, algumas são com certeza bem melhores e outras são péssimas, e também não está com um ritmo tão bom quanto as temporadas anteriores, mas ainda assim está tudo contextualizado e seguindo o seu rumo, mas não acho que o que está acontecendo sejam motivos para deixar de acompanhar.

Mas enfim, o que eu realmente estou querendo dizer com isso tudo, é querer entender o que realmente mudou não só na série, mas no mundo e na cabeça das pessoas, pois vejo muitos que acompanham a série desde o início criticando essa violência toda somente agora, quando na opinião da maioria a série está chata. Parece que quando a série era “boa”, todos ignoravam esses acontecimentos, mas aí quando não atende as expectativas, as pessoas começam a criticar coisas que realmente importam. Quando falo todos me refiro a maioria, pois sem que também gente que não apoia essas cenas desde o começo (mas infelizmente não é o suficiente para gerar tanta polêmica como agora).

Afinal mostrar uma cena dessas para contextualizar alguma parte da história é até “aceitável”, mas da forma exagerada como está sendo feito realmente fica um negócio muito “roteiro preguiçoso”.


20/05/2015 - Categoria: Design - Autor(a): Mariana Fernandes

ModoMeu_ Prêmios de Design

De vez em quanto recebo algumas dúvidas e pedidos para falar mais sobre a profissão que me acompanha dia após dia, o design. Esses dias, por causa do post sobre o Zupi Awards e um caso sobre a desvalorização do designer, que muito me indignou, estava lembrando de alguns concursos que passei durante o período acadêmico, o que achei sobre eles e bons concursos para participar.

Em um momento do seu período acadêmico provavelmente vão surgir algumas empresas, representantes, semanas de alguma coisa, entre outros com concursos como finalidade. O discurso é sempre o mesmo: “Trabalhe duro, faça algo muito bom, mande para cá que se a gente gostar, vai usar”. Aí eu me pergunto o que eu recebo com isso e o que isso vai me beneficiar, e lá vem a resposta: “Divulgação, é claro”.

Surpreendente, mas é bem comum ver esses tipos de concursos que se beneficiam do trabalho duro em troca de praticamente nada, pois vamos ser sinceros, quem vai prestar atenção na assinatura de um designer em uma embalagem de lanche? E até mesmo se prestar atenção, quem vai anotar os contatos de alguém dessa forma?

Não estou dizendo que todos os concursos são assim, afinal, seria muita contradição falar de um concurso e na mesma semana dizer que isso não é legal, mas ter bastante atenção é essencial, pois as vezes as entrelinhas  também podem prejudicar, por isso, vou indicar 3 concursos supimpas para quem está em busca de uma competição, mas não que ser deixado pra trás.

Concursos de design

1. Premiação Museu da Casa Brasileira

O concurso consiste na criação de um cartaz para que represente o outro concurso ligado a produtos arquitetônicos. Inicialmente o participante cria e envia um cartaz de acordo com o tema pedido, 10 cartazes serão escolhidos e expostos no museu e o primeiro lugar receberá uma quantia, que eu considero justa, para concluir toda a identidade visual do evento.

Já participei desse concurso e achei bem legal, mas vale ressaltar que para participar existe um um valor de inscrição e também do envio da peça, caso esteja disposto a investir, #ficadica.

2. Prêmio Estampa Brasil

Na terceira edição, esse concurso consiste na criação de estampas, de acordo com os temas exigidos. Os trabalhos selecionados são expostos e publicados na edição do ano, qual eu já falai no post “Entendendo um pouco da arte de estampar com o livro Alma Brasileira”. Além de exposição e publicação, os três primeiros ganham prêmios em dinheiro para estudo. Vale ressaltar que existem duas premiações, a exclusiva para estudantes e a para profissionais.

3. Zupi Awords

Essa vou deixar o post que explica bem melhor sobre o concurso, mas já sabe né?! Se estamos indicando é por que acreditamos ser uma coisa boa. Olha o link: Zupi Awords: Premiação Internacional de Arte, Design e Criatividade.

Espero que goste da dica, se tiver algum outro para indicar, deixa nos comentários e boa sorte, viu?!


19/05/2015 - Categoria: App - Autor(a): Dyego Cruz

todoist

Sempre tive problemas em começar a utilizar algum tipo de ferramenta ou app que me prendesse tempo suficiente em continuar usando durante um tempo maior que uma semana, ou até mesmo dois dias. E acredito que muitas pessoas também tem esse problema e estão sempre a procura de alguma ferramenta legal para ajudar a manter suas tarefas em dia e lindamente organizadas.

Então depois de muito testar coisas por aí, finalmente recebi a dica de um amigo sobre o Todoist: Lista de tarefas, um site/app que não vai resolver a sua vida sozinho, mas com certeza vai te ajudar nessa difícil tarefa do dia a dia.

Com uma infinidade de funcionalidades, o Todoist permite a você criar vários projetos e subprojetos, podendo adicionar e até mesmo definir a data para determinada tarefa. Existe também a possibilidade de fazer comentários para detalhar melhor o que foi cadastrado, mas isso somente na versão paga. Isso mesmo, ele tem uma versão free, mas que com certeza vai te ajudar com aquelas coisas que você precisa lembrar ou fazer.

todoist-screenshot-demo

O que mais me chamou a atenção, é que além dessa questão de mesmo a limitação da versão free, você consegue utilizá-lo bastante, ele vai meio que pontuando a sua produtividade de acordo com as tarefas que são finalizadas (sim, quando você termina uma tarefa, é só marcar como terminada que ele já marca a pontuação).

Tem também a questão das noticiações, em que mesmo que você não tenha saco de ficar olhando todo dia para ver o que tem para fazer, se você tiver marcado uma tarefa para um determinado dia, já tem um e-mail na sua caixa de entrada de manhã cedinho avisando.

Sei que muita gente não curte e-mail com essas coisas, já que recebemos tanto Spam e tal, mas acho isso mais legal do que ter que ficar sempre me preocupando em olhar algo que muitas vezes não vai mudar o adiantar o tempo.

Interview-The-Developer-of-Todoist-for-Mac-Talks-about-His-Passion-and-Workflows-465980-2

Agora você deve estar se perguntando “mas como eu uso isso?”, simples, o Todoist está disponível para Android, iOS, Windows, Mac OS, Chrome, Firefox, Outlook, Thunderbird, Gmail, Postbox (UFA) e se você não quiser nenhum desses ainda pode acessar pela web.

Claro que você também deve estar se perguntando sobre o Google Calendar e o Trello, então eu digo, para mim o Trello é mais para trabalho em equipes e o calendar é mais para marcação de compromissos e reuniões, pois eu já tentei utilizar aquela parte de tarefas do google e posso garantir que não é legal.

Enfim é isso, espero que tenha gostado dessa dica que você consiga se manter pelo menos um pouquinho mais organizado com o Todoist.