Modo Meu

Posts da autoria de: Mariana Fernandes

17/08/2017 - Categoria: Canal Modo Meu - Autor(a): Mariana Fernandes

A série canadense maravilhosa de ficção cientifica, Orphan Black, teve seu último episódio lançado este último domingo dia 13 de agosto de 2017 e com o seu fim, vem a saudade de que ele irá nos deixar. Por conta disso decidimos falar um pouquinho dos principais pontos que curtíamos na série e lembrar de alguns pontos que foram deixados de lado durante asses 5 temporadas.

Se vocês já assistiu, aproveita para nos dizer o que vai deixar saudade? Qual qual clone á a sua favorita, Sarah, Alison, Cosima, Helena, Rachel ou outra?

Comentados no vídeo:

Campanha no Catarse

Vídeos anteriores:

Modo Meu nas redes:

Facebook: https://www.facebook.com/ModoMeu
Twitter: https://twitter.com/ModoMeu
G+: https://plus.google.com/+Modomeu
Instagram: https://instagram.com/modomeu/


07/08/2017 - Categoria: Fotografia - Autor(a): Mariana Fernandes

Coisa difícil de resistir é livro bonito nas prateleiras da livraria. Mais complicado ainda é ter coragem de abrir para ler por medo de estragar. Na temática de livros maravilhosos que temos nas nossas estantes é que o grupo de 6 on 6 decidiu falar um pouco dessas belezinhas no mês de agosto.

Se você caiu nesse post de paraquedas, vou te deixar inteirado da situação tá? Sou designer gráfico e tenho um canal que falar sobre essa profissão tão cheia de curiosidades. Isso já me dá a desculpa de ser VI-CI-A-DA em livros, quanto mais se tiverem um projeto bacana de design. Porém, contudo entretanto, acabei de me especializar em design editorial, ou seja, tenho “multipass” para comprar qualquer livro bonito sem ter a obrigação de ler antes de comprar outro. hihihi

Então, nesse tema vou te dar três dicas de livros que são LINDOS na estante além de serem ótimas leituras. PS: Claro que vai ter design no meio.

A primeira opção é o “Design para um Mundo Complexo” um exemplar da finada, com muito pesar, Cosac Naif (editora referência em lançamentos de arte, design, arquitetura e literatura), que fechou suas portas em 2015, está com seu estoque na Amazon quase no fim. Este foi o primeiro livro de design que eu comprei e consequentemente o meu primeiro Cosac e diferentão. Quase todo amarelo, o livro só possui a capa em azul, o livro possui um conceito visual maravilhoso, mas confesso que é bem cansativo de ler, contudo, com persistência é uma ótima leitura.

PS: Esse livro foi relançado, do mesmo jeitinho, pela Ubu. Editora criada por três funcionárias da Cosac, uma delas a Elaine Ramos, responsável pelos projetos de design da antiga editora.

A segunda opção é a edição para colecionador do clássico, “Forrest Gump“. Lançado pela editora Aleph no final de 2016, este livro possui uma jacket que se invertida, vira outra capa, capa dura com baixo relevo, ilustrações que dividem os capítulos e cores especiais. Um livro de deixar os olhinhos brilhando de tanta perfeição, além da história ser maravilhosa e um pouco diferente da que vimos no filme.

A terceira opção também é uma peça da Cosac, mas essa eu só tenho como mostrar, pois não sei se alguma editora teve interesse de adquirir os direitos de impressão deste livro. Mas se você tiver oportunidades de ler ou comprar o livro “Linha do Tempo do Design Gráfico no Brasil“, não pense duas vezes.

Bem, essas são minhas dicas e belezinhas que eu tenho na estante. Me diz qual desses você mais curtiu e aproveita para dar uma olhada nas dicas das meninas do grupo! :D

Links para comprar os livros ;)

 Eu Amo | Console cor-de-rosa |  It’s Me, Mari  | My Secret Books | Maricota Cara de Ricota


26/07/2017 - Categoria: Design Gráfico - Autor(a): Mariana Fernandes

P.S.: Não conseguimos o financiamento pelo catarse, mas juntamos umas economias, tiramos uma coisinha aqui e outra ali e assim o Big Plan está a venda aqui ó ;)

Falar em público nerd atualmente é ouvir que ter essas características está na moda, que agora o mundo ama essa galera que curte cultura pop e que consome enlouquecidamente o que os representam. Realmente, encontrar produtos nessa linha ficou bem mais simples. É possível encontrar camisas de super heróis em lojas de departamento, capas de cadernos de filmes de ficção feitas por grandes empresas e adquirir colecionáveis nas livrarias populares. Mas são produtos pensados para esse público ou só possuem o visual que os atraem? Além do que, esse tipo de segmento é facilmente encontrado em todas as áreas de produto? Para os planners, não.

Mas antes disso, o que é planner mesmo? Este produto chegado a pouco tempo no Brasil, tem força no mercado internacional e consiste em uma agenda com foco em organização que serve de ferramenta para usuários que desejam planejar seus meses, semanas e dias. Na sua maioria apresentados em cores rosas, com flores ou grafismos delicados, os atuais produtos possuem um estilo feminino, deixando pessoas que não se encaixam nessa linha sem opções.

Pensando nas pessoas que não conseguem, de alguma forma, se adequar aos produtos já existentes, o Big Plan foi criado baseando-se em datas nerds/geeks/gamers como Star Wars Day, aniversário de Isaac Newton e o dia em que a Nintendo foi criada. Uma agenda com uma proposta de trazer liberdade de uso aos seus usuários, permitindo ser iniciada em qualquer época do ano, por não ser  datada, trazer mais conhecimento, por meio das datas e textos, além de espaços igualitários para serem usados de acordo com a necessidade. Por mais que apresente uma maioria nerd, este item foi desenvolvido para se adequar a qualquer necessidade que envolva organização.

Atualmente, o Big Plan está buscando financiamento coletivo pela ferramenta de crowdfunding Catarse, com que pessoas físicas ou jurídicas possam ajudar na produção em troca de recompensas que vão de nomes nos agradecimentos, até o próprio planner. Neste caso, é possível adquirir a agenda e outros itens presentes nos kits com as recompensas de 90, 100, 120, 140, 160, 170, 200 e 300 reais, ou acima de 1.000 reais para que tiver o interesse de revender. Caso a o objetivo seja ajudar sem necessariamente levar o produto principal, ainda existem opções de 10, 20, 30, 40, 60, 70 reais.

Para saber mais sobre o projeto, basta acessar o link da campanha no Catarse, que possui vídeos explicando o projeto e mostrando em detalhes, e as redes sociais com novidades diárias.


17/07/2017 - Categoria: 513 Design - Autor(a): Mariana Fernandes

P.S.: Não conseguimos o financiamento pelo catarse, mas juntamos umas economias, tiramos uma coisinha aqui e outra ali e assim o Big Plan está a venda aqui ó ;)

Para você que está mega curios@ sobre o que é esse tal de The Big Plan e como é o seu interior. O vídeo de hoje é justamente para mostrar os seus detalhes e quem sabe assim você se interesse ainda mais e ajuda esse projeto a sair do papel.

Link Catarse: https://www.catarse.me/bigplan

E como faço para contribuir?

  • Escolher uma recompensa que mais goste e caiba no seu bolso, à direita da página.
  • Fazer o login com seu e-mail ou Facebook.
  • Preencher seus dados com muita atenção, pois estes serão realizados para que possamos enviar a recompensa.
  • Selecionar a forma de pagamento (cartão de crédito ou boleto bancário, o que for melhor para você), e confirmar o apoio.
  • Compartilhar a campanha com todas as pessoas que você conhece. Este passo não é obrigatório, mas a gente ia gostar.

Recompensas

  • Nome nos agradecimentos
  • Stickers em PDF
  • Cartaz Lambe Lambe
  • Camisa
  • Caderno (A6)
  • Bolsa Sacola
  • Kit lápis e caneta
  • Planner

Metas Estendidas

  • 28k – projeto finalizado
  • 35k – melhorias nas recompensas e mais produtos
  • 40k – ??????? vamos pensar!

Prazos

  • Julho – campanha
  • Agosto – fim da campanha
  • Setembro – recebimento e produção
  • Outubro – produção
  • Novembro – envios

Comentados no vídeo:

Caso queira conhecer mais do projeto:


06/07/2017 - Categoria: Séries - Autor(a): Mariana Fernandes

Existe coisa melhor do que a estética dos anos 80? Não sei você, mas eu e provavelmente mais um monte de gente ama esse estilo cheio de neons, cabelos bufantes, calças com cinturas altíssimas, maiôs cavadíssimos e uma personalidade de dar inveja. Se não, por que esse tanto de série nessa vibe?! Stanger Things, Girl Boss, entre outras séries, todas tem essa pegada, até tem muita coisa voltando a moda. Então já deu para perceber que a nova série da Netflix, GLOW, chegou em uma época certa!

Lançada dia 23 de junho de 2017, a série GLOW conta a história real do programa de luta livre feminina, que teve duração de 1986 a 1992 e voltou em 2001 para apresentações ao vivo em Las Vegas. O “Gorgeous Ladies of Wrestling“, de abreviação GLOW, era basicamente um espetáculo de lutas coreografadas, com personagens bem estereotipadas e histórias mirabolantes que incrementavam a atração, deixando a luta mais divertida e chamativa.

O seriado traz como protagonista Ruth Wilder, interpretada por Alison Brie, uma atriz sem sucesso que se mostra insatisfeita com os papeis femininos no mercado de entretenimento. Tanto que em sua primeira cena, Ruth finge que se engana ao ler a fala do personagem masculino e agradece a produção por ter um roteiro com uma boa personagem feminina. Mas acaba não passando por não fazer parte do esteriótipo de mulher, loira e peituda que a indústria procura.

Com dificuldades financeiras, a protagonista é convidada para um teste que precisa de mulheres diferentes, e como a produtora deixa claro “não é pornô”. O teste é justamente para esse programa inovador de mulheres lutando, e sem muitas opções ela acaba ficando e até insistindo para continuar.

No começo a construção do programa parece ser bem machista, de caras que querem ver mulheres de maiô cavado, mas no backstage é visível a determinação de cada uma das lutadoras, tanto em aprender as coreografias até produzir o que for necessário e passar por cima das decisões do diretor Sam Sylvia, interpretado por Marc Maron, que parece ser um escroto no começo, mas acaba sendo um personagem bem amorzinho.

A série aborda temas como o papel da mulher nesse período, como elas eram representadas pela indústria do entretenimento, a rotina de mulheres que optam por trabalhar enquanto são mãee, aborto, machismo, entre outros temas que mostram como era a realidade feminina nessa época.

Rápida e fácil de assistir, Glow é aquele tipo de série da Netflix feita para assistir em um dia, ou deixar para ver depois de um dia exaustivos de trabalho, pois ela não foi feita para dar um nó na sua cabeça. Como sempre, se estou indicando é porque gostei da história, mas confesso que fiquei tão hipnotizada com o visual maravilhoso que pode ser que eu tenha me enganado, então me diz aí você o que achou. :D