Modo Meu

Categoria: Animes

09/01/2013 - Categoria: Animes - Autor(a): Caio Túlio Costa

Omega no ModoMeu 1

Reinventando os Cavaleiros

Os Cavaleiros do Zodíaco é um dos grandes clássicos da animação japonesa que fez sucesso em todo o mundo, principalmente aqui no Brasil. Este anime marcou a juventude de muita gente e, recentemente, ganhou uma nova saga, Saint Seiya Omega.

A nova fase da franquia animada estreou no dia 1º de abril na emissora nipônica TV Asahi (a mesma que exibiu a série original em 1987) e está bem diferente das duas últimas (Saint Seiya e Saint Seiya: The Lost Canvas).

O autor, Masami Kurumada, não se envolveu com o processo criativo desta vez. Segundo o estúdio, Toei Animation (o mesmo de Sailor Moon e Dragon Ball), a obra é descrita como uma “história original do anime”, ou seja, não é uma adaptação direta dos enredos das outras temporadas.

Dirigida por Morio Hatano (o mesmo de alguns episódios de One Piece) e roteirizada por Reiko Yoshida (de School Rumble e D.Gray-man), a história de Saint Seiya Omega se passa 25 anos após as guerras santas, confrontos em que os Cavaleiros do Zodíaco se envolveram para salvar a deusa Atena das forças malignas.

Omega no ModoMeu 2

Novos guerreiros

Uma nova geração de cavaleiros está sendo formada para enfrentar inimigos que surgiram nesta era, onde Seiya, o Cavaleiro de Ouro de Sagitário, é tido e reverenciado como um lendário herói.

Novos e velhos personagens serão apresentados e redistribuídos no decorrer do enredo em papéis mais expressivos, o que servirá para evidenciar especulações de que a nova saga será uma continuação oficial e direta do anime clássico.

A nova trama, assim como os novos traços da animação elaborados por Yoshihiko Umakoshi, o mesmo de Street Fighter Alpha: The Animation, garantiu à maioria dos fãs uma boa aceitação, mas, em contrapartida, também desagradou muitos apreciadores conservadores, que mesmo sendo a minoria do público, alegaram que o anime clássico estava sendo “ridicularizado e infantil”.

Saudosismo

As homenagens foram pontos muito fortes na nova temporada. A trilha sonora que possui como tema de abertura uma versão “atual” da conhecida Pegasus Fantasy, foi um sucesso.

Essa nova versão da música é interpretada pela banda Make-Up, a mesma do tema antigo, com vocal da cantora Shoko Nakagawa, responsável pela aclamada abertura de Tengen Toppa Gurren Lagann. Essa versão criou um clima nostálgico, mas também trouxe um toque diferente voltado para os novos telespectadores.

Outras novidades

E os fãs não podem nem reclamar de novidades, além da nova série, a Toei Animation aproveitou o lançamento para divulgar o projeto de um longa dos Cavaleiros. Totalmente em computação gráfica, a produção será lançada para homenagear os 25 anos da franquia.


27/11/2012 - Categoria: Animes - Autor(a): Caio Túlio Costa

Escrita por Takashi Ujita em 2008 e dirigida por Sayo Yamamoto (Samurai Champloo), Michiko & Hatchin é uma série animada japonesa produzida pelo estúdio Manglobe (Ergo Proxy). Na premissa, acompanhamos a história de duas garotas que moram em um país curiosamente muito parecido com o Brasil.

O anime possui 22 episódios que misturam ação, aventura e drama. As protagonistas são Michiko, uma sensual presidiária fugitiva, e Hatchin, uma garota de nove anos maltratada pela família adotiva. Seus destinos se cruzam por um acaso e elas resolvem seguir juntas. Michiko procura o amor de sua vida e Hatchin sua verdadeira família. Metaforizando uma comovente jornada em busca da liberdade, a emoção é garantida do começo ao fim.
O anime se passa no país fictício Diamandra, que tem muito em comum com o Brasil, para não dizer igual. Sua cultura, paisagens, divisão territorial, unidade monetária e diversas características como pratos típicos e nomes são referências das terras canarinhas.

Cidades como São Luís, Rio de Janeiro, Recife, Olinda, Salvador e Barreiras são fortemente exploradas em suas formas fictícias, o que pode ser considerado um retrato de como somos vistos internacionalmente: um lugar que mesmo com seus diversos problemas, dificuldades e dura realidade, jamais perderá todas as suas belezas e encantos.
A trilha sonora é inovadora para uma animação do tipo, com a presença de ritmos como samba, chorinho, música popular brasileira, samba rock e até arranjos de berimbau. A responsável pela trilha é a banda brasileira Kassin.

Shinichiro Watanabe, o criativo produtor musical que misturou o Jazz dos anos 40 em “Cowboy Bebop” e o Hip-Hop em “Samurai Champloo“, foi o encarregado por garantir essa interação fantástica entre as duas dimensões: a rica cultura brasileira e a animação japonesa.

Michiko to Hatchin é uma série animada imperdível, capaz de comover a todos, principalmente nós, brasileiros, que muitas vezes convivemos com  a realidade retratada no anime.

Para os curiosos, o primeiro episódio legendado (ativem as legendas :D):

Vale a pena se aventurar por Michiko & Hatchin. Um drama de tirar o fôlego e desafiador.

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail;  Sério mesmo cara, manda aí! Você pode, o blog é nosso.


02/10/2012 - Categoria: Animes - Autor(a): Caio Túlio Costa

Vamos falar de um universo em que a tecnologia da manipulação dos sonhos, espionagem industrial e arquitetos do subconsciente estão presentes na realidade. Não, isso não é o sucesso “A Origem“, de Christopher Nolan. Mas se trata de sua essência, que fora totalmente explorada quatro anos antes pelo renomado estúdio Madhouse. Estamos falando de Paprika.

Filmado em 2006 e adaptado do romance noventista de Yasutaka Tsutsui, o longa-metragem é um marco da animação japonesa de ficção científica. Dirigido pelo grande Satoshi Kon (Tokyo Godfathers), produzido por Masao Takiyama (Jura Tripper) e Jungo Maruta (Kemonozume) e distribuído pela Sony Pictures Classics, Paprika foi exibido em grandes eventos do mundo cinematográfico como o Festival Internacional de Cinema de Veneza, Fantasporto e Sarasota Film Festival. Sua fantástica recepção pode ser notada pelas críticas positivas de grandes meios como Rotten Tomatoes e Revista Time, que inclusive elegeu Paprika ao TOP das vinte e cinco melhores animações de todos os tempos.

Paprika no Modo Meu2

Vencedor de importantes prêmios – entre eles o Montréal Festival of New Cinema -, o longa-metragem traz um complexo enredo que se desenrola em um cenário mergulhado em ficção científica. A história se dá quando a humanidade desenvolve uma revolucionária psicoterapia chamada Terapia dos Sonhos. A prática consiste em um dispositivo que permite ao usuário o livre acesso ao subconsciente do paciente, que terá todos os seus sonhos explorados. Antes de ser sancionada pelo governo, a tecnologia é roubada e vários cientistas entram em um estado de regressão mental marcado pelo enlouquecimento.

O criador do dispositivo, Dr. Tokita, conta com a ajuda de uma competente pesquisadora, a Dra. Atsuko, que assume seu alter-ego Paprika para se aventurar pelas mentes e descobrir o que está por trás das fatalidades que estão causando catástrofes, desequilíbrios e instabilidades na sociedade estabelecida.

Recheada de elementos de ficção científica, mistério, fantasia e um belíssimo visual, Paprika é um grande sucesso dos cinemas.

Sua trilha sonora é muito elogiada por ser uma das primeiras do estilo Vocaloid, isso é, vozes sintetizadas que se assemelham a notas musicais com diversos efeitos. Criando uma grande sintonia com o clima do filme, a sonoridade e todas as suas características foram criadas por Susumu Hirasawa (Sword of the Berserk).

Paprika no Modo Meu3

Vale a pena se aventurar por todo esse universo de sonhos. Conhecer do que o nosso próprio subconsciente é capaz, assim como nossas vontades mais íntimas. Esse é o verdadeiro desafio estabelecido pela complexidade do filme. Não deixe de conferir. Paprika é um título que pode ser considerado sem medo como um Achievement de Vida. 

Confiram o trailer do filme:

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail.


23/08/2012 - Categoria: Animes - Autor(a): Caio Túlio Costa

Um jogo violento, competitivo e sanguinário. Essas são apenas algumas das características que podem definir o vasto universo de Gantz, uma série de anime e mangá intrigante e cativante. Criado por Hiroya Oku, os quadrinhos são publicados desde 2000 e até então continuam sendo sucesso no oriente e ocidente com seus mais de 365 capítulos compilados em 34 volumes (atualmente).

Sua premissa é desafiadora e simples. Gantz é uma bola preta misteriosa que reside em uma sala e escolhe vítimas no momento de sua morte, concedendo-lhes uma nova chance de retornar. Ao voltar à vida, os escolhidos terão que se submeter a caçadas. Missões de captura, assassinato e sobrevivência com seres estranhos que estão além da compreensão humana. Beirando o estilo nonsense, os participantes contam com um grande arsenal bélico a disposição e tem que acumular pontos de acordo com o objetivo das provas. Essa pontuação pode ser trocada por novos armamentos, reviver um aliado morto ou comprar a própria liberdade. Após a missão, os sobreviventes podem retornar para suas vidas normais e então só serão chamados por Gantz na próxima prova.

Gantz no Modo Meu2

Os desafios criam um clima de tensão por conta do inesperado. Um limite de tempo em que a missão deve ser realizada antes de todos morrerem é estabelecido, forçando a mobilidade de todos. Os participantes sempre são teleportados para o lugar da missão, que conta com um perímetro delimitado por Gantz e que se for ultrapassado causa morte imediata. O terror e suspense misturado com uma dose de erotismo e conflitos psicológicos dá a Gantz uma fórmula no mínimo interessante de se acompanhar.

O protagonista da série é Kei Kurono, um estudante que morre atropelado por um metrô ao tentar ajudar um mendigo alcoolizado que caiu nos trilhos. Alguns segundos após a morte, Kei é levado à sala de Gantz e então é apresentado à mecânica das missões. Desde então passamos a acompanhar o seu cotidiano.

Gantz no Modo Meu3

Em 2004, Gantz ganhou sua adaptação animada pelo estúdio GONZO (Vandread). Baseada nos primeiros capítulos do mangá, a série conta com 26 episódios divididos em duas temporadas e teve grande audiência na emissora Fuji Television. No Brasil, o mangá é publicado pela Panini Mangás e o anime foi exibido no canal pago Animax, onde a censura fez sua parte e cortou muitas cenas.

Para um pouco da adaptação, confira a chamada com uma breve apresentação de Gantz no Animax (+18):

Já em 2010 e 2011, Gantz deu as caras nas telonas japonesas. Seus longas em Live Action foram dirigidos por Shinsuke Sato (Desert Punk) e fizeram grande sucesso no oriente.

Confiram o trailer do longa metragem:

Atualmente, o lançamento de novos capítulos do mangá ocorre de forma irregular. Mesmo assim, isso não causa nenhum desapontamento nos fãs, pelo contrário. Os mesmos respeitam e aceitam que sua autora demore o tempo necessário para desenrolar e dar continuidade à trama. Essa relação é muito rara no ramo dos mangás e só comprova como Gantz é inovador e original.

Gantz no Modo Meu4

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail.


21/05/2012 - Categoria: Animes - Autor(a): Dyego Cruz

One Piece no Modo Meu

Muitos dizem que aprenderam isso ou aquilo com Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco e outros Animes/Mangás, mas só dizem isso porque ainda chegaram a conhecer esse mundo de piratas que eu realmente sou super fã.

One piece é uma série de anime (com muitas sagas e filmes) e mangá (com muitas edições) que acontece em um mundo onde piratas sobre-humanos e alguns que conseguem poderes especiais de certas frutas mágicas (frutas
do demônio como são chamadas)  que praticamente dominam o mundo.

A história é focada no personagem principal Monkey D. Luffy (Lê-se Ruffy) e seus companheiros, que decidiu ser um pirata e sair mundo a fora a procura de companheiros que tenham um sonho tão alto e forte quanto o seu, que é se tornar o Rei dos Piratas, em busca do One Piece,tesouro escondido pelo antigo Rei dos Piratas Gol D. Roger. Existem também algumas referências a piratas reais como o Barba Negra.

chibi One piece cute Anime Modo Meu

Ao contrário do que muitos pensam sobre piratas, Ruffy é diferente e nos ensina muito sobre amizade, companheirismo, honra, acreditar nas pessoas e o mais importante, acreditar nos seus sonhos e lutar por isso mesmo que tudo e todos digam que você está errado e não vai conseguir (pode até parecer auto ajuda, mas isso não me importa). Isso tudo com muito humor (é claro) e as vezes umas pitadas de emoção.

Bem, essa é um pouco da história e apenas uma parcela da minha opinião, se você já assiste, sabe o que faz, caso contrário, comece a assistir e conheça esse mundo repleto de aventuras emocionantes.

Encerro o post com uma imagem e frase que até hoje foi a que mais me emocionou (e me emociona) de tudo que já assisti da série.

“De agora em diante não importa o que aconteça. Esse braço esquerdo será a prova do nosso companheirismo!” (One Piece, Final Episódio 129 da série animada).

One Piece Alabasta Modo Meu

*kaizokuo ni ore wa na ru! = Eu serei o rei dos piratas!

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail.