Modo Meu

Categoria: Games

21/09/2016 - Categoria: Games - Autor(a): Dyego Cruz

doors-and-rooms

Depois do sucesso estrondoso das salas misteriosas qual você é trancado em uma sala, por 60 minutos, e para sair, precisa descobri pistas que levam a fuga, a moda também chegou nos jogos para smartphone.

Mas esse tipo jogo surgiu muito antes dos nossos tão queridos e amados smartphones, na época em que ainda nem existia youtube e tudo que conseguíamos ver de animação na internet eram feitas com FLASH. Isso mesmos, esse negócio que hoje já foi descontinuado por praticamente todos os navegadores e está cada vez menos sendo utilizado pelos desenvolvedores (até mesmo o Google já parou de utilizar ele nos anúncios do AdSense).

A ideia original do jogo surgiu em 1988, mas que só veio se popularizar de verdade em 2004, com o jogo de Toshimitsu Takagi, chamado “Crimson Room“, que se espalhou por vários sites na internet.

crimson-room

O objetivo do jogo é praticamente colocar o usuário dentro de uma sala e ele tem que escapar, e no modelo atual dos jogos como The Doors & Rooms para smartphone (que tem umas duas continuações muitos outros jogos variados, mas com mesma temática), o jogador recebe algumas recompensas e pode comprar algumas dicas do que fazer quando o negócio está ficando cada vez mais complicado e difícil de achar as pistas para sair. Modelo clássico, afinal quando acabam as moedas do jogo, ele joga logo na sua cara a opção de pagar com dinheiro de verdade por mais moedinhas.

Agora a nova febre baseada em todos esses jogos, são as “casas” de Scape Rooms que estão sendo a mais nova moda aqui no Brasil, e que a Mary e eu até tivemos a oportunidade de conhecer e jogar. Infelizmente não dá para mostrar o que acontece lá dentro, mas vou deixar o link pra você ver os depoimentos de quem participou.

Escapando do corredor da morte no Escape 60 de Fortaleza

Mas aí você agora deve estar se perguntando “Esse negócio é igual ao jogo virtual?”. E é aí onde o negócio fica mais interessante, pois ao contrário do jogo virtual, que é individual e em sua maioria não tem contagem de tempo. Nesse você vai com um grupo de amigos e tem apenas 60 minutos para conseguir escapar.

escape-room-boom-20160921

Outra grande diferença é que existem várias salas temáticas para você escolher, desde um prisioneiro no corredor da morte, até quartos de hotel mal assombrados. É realmente o virtual saindo para a realidade e conquistando público, pois só o que se vê por aí na internet é a galera compartilhando e assim como eu, querendo um repeteco, pois é realmente muito massa estar lá dentro de uma sala com os amigos e tentando juntar todas as peças para resolver os enigmas e conseguir sair antes de terminar o tempo.

Então se você gosta de um bom desafio e treinar a sua capacidade de manter a calma para pensar no que fazer em situações difíceis, estas salas são perfeitas para testar a sua “frieza e calculismo” e seu espírito de equipe, pois eu se eu (criatura estressada, afobada e ansiosa) consegui abrir um cofre para “salvar as vidas” dos participantes, imagina o que você não consegue fazer. ;)


04/07/2016 - Categoria: Mobile - Autor(a): Dyego Cruz

canalizador-plumber-game-start

Quando era mais novo, lembro da época em que passava horas e mais horas do dia me entretendo com um jogo em que seu objetivo era traçar uma rota para um líquido verde chegar até o outro lado da tela, o que pode parecer fácil, mas as peças apareciam em ordem aleatória de uma forma que lembrava tetris e havia uma contagem regressiva para liberação do tal líquido. O que faria você perder se não tivesse completado o trajeto corretamente.

O nome do jogo era Pipe Dream, e o sistema operacional da época era o Windows 95 ou era Windows 98, não tenho certeza agora (coisa de velho esquecido hehehe) e atualmente consegui encontrar um jogo para relembrar essa “era” de quando comecei a usar computador na vida.

pipe-dream-game

Por tanto, chegando na atualidade, deparei-me com inúmeras imitações, mas a que mais gostei (e que joguei) até agora foi justamente o Canalizador (Plumber) para Android, que diferente de seu predecessor, não tem nenhuma contagem regressiva e muito menos te dá peças aleatórias, mas tem um visual bem legal.

No início de cada fase do Canalizador já são posicionadas um número X de “conexões”, que podem ser manipulados de acordo com a necessidade em todas as direções, e cada uma dessas fases dá ao jogador um número  limitado de movimentos que ele pode fazer durante a partida.

canalizador-plumber-game-play

Esse tipo de jogo é muito bom para quem gosta de raciocinar e pensar nas várias, ou as vezes na única, possibilidades de caminhos que podem ser feitos para chegar ao objetivo final. O que facilita ainda mais essa nova versão é que o jogador somente perde se exceder o número de movimentos, já que a água para molhar a plantinha somente é liberada quando o caminho certo é formado, bem diferente do Pipe Dream.

O jogo e todo o seu visual foi realmente muito bem feito, mas infelizmente a trilha sonora e e efeitos sonoros também não foram muito bem trabalhados, já que a trilha é sempre a mesma o tempo inteiro e não existe nenhum outro efeito sonoro enquanto se faz movimentos com os canos ou quando se termina a partida, ganhando ou perdendo. Mas nem por isso deixei de passar um bom tempo botando a cabeça pra funcionar e descobrindo os melhores caminhos.

A dica é jogar ouvindo alguma outra coisa que você goste e faça sua cabeça funcionar a mil pra conseguir acertar todos os caminhos e ganhar as três estrelinhas em todos os níveis que o jogo te dá.


14/04/2016 - Categoria: Mobile - Autor(a): Dyego Cruz

altos-adventure-capa

Depois de tanto tempo sem falar absolutamente nada sobre um joguinho qualquer, hoje a bola da vez é mais uma dica para você que adora jogos do tipo “sem fim” (se alguém souber o nome desse estilo me diz que já procurei e não achei) e com várias “missões” a serem cumpridas.

Descobri Alto’s Adventure em mais uma daquelas passeadas básicas pela Google Play (sim, é assim que encontro esses jogos que indico aqui no blog), e fiquei impressionado com aquela capa bem diferente, tanto pelo nome quanto pelo fato de no título estar destacado o desenho de uma lhama na letra A.

altos-adventure-dia

Comecei a jogar e caí nas graças das Cordilheiras dos Andes na pele do personagem principal chamado Alto (por isso o nome hehe). Inicialmente a história do jogo diz que suas lhamas fugiram, sabe-se lá como e por que, e você deve descer montanha abaixo com seu snowboard para trazê-las de volta.

Mas com o passar e cumprimento das missões que o jogo te dá, a busca pelas lhamas fugitivas vai ficando cada vez mais irrelevante, pois por muitas vezes a únicas coisas que são necessárias para passar de nível e liberar novos personagens (sim, existem outros e claro, cada um com habilidades diferentes) são apenas coisas que podemos chamar de “superação de limites”.

altos-adventure-tarde

Sempre gostei desse estilo de jogo, e esse é bem interessante, pois a sua jogabilidade facílima permite fazer muitas manobras e acumular muitos pontos, além de poder pegar moedas e comprar algumas coisinhas para ajudar ou até mesmo usar esse dinheiro para pular algumas missões absurdas e muito complicadas de serem feitas.

Outra coisa que ia esquecendo, é que durante o jogo, o ambiente, o clima e o tempo vão mudando, o que faz com que você passe por vilarejos, florestas, chuvas, tempestades e também a noite, o que dificulta a jogabilidade, pois mesmo colocando o brilho no máximo, fica bem difícil de enxergar o cenário escuro da noite.

altos-adventure-noite

Bem, agora que falei pra caramba do jogo você deve estar se perguntando “mas presta?” ou “será que tem para o meu smartphone?”. Então lá vai, Alto’s Adventure está disponível gratuitamente para Android, já para quem quiser jogar no iOS, terá que desembolsar $2,99 (cerca de R$10,52 na atual cotação do dólar, que está de R$ 3,50). Infelizmente para Windows Phone, até agora a única notícia que consegui encontrar é que a empresa responsável pelo seu desenvolvimento (Built by Snowman) informou que ele será lançado para Windows 10, mas nada muito certo ou confiável até agora.

altos-adventure-personagens

Para quem gosta de desafios, este é um jogo maravilhoso, tanto de jogabilidade, quando de visual e quando dos tais desafios, posso garantir que ele vai te entreter durante muito tempo. Não é a toa que ele teve influência de jogos como Journey (2012), Monument Valley (2014), Tony Hawk’s Pro Skater 2 (2000), e Windosill (2009) e ainda foi ganhador de tantos prêmios como você pode ver no site oficial do Alto’s Adventure.


17/02/2016 - Categoria: Games - Autor(a): Dyego Cruz

a-lenda-do-heroi-o-jogo-01-1920x1080

Sabe todos aqueles acontecimentos impossíveis e inexplicáveis que ocorrem dentro de um jogo de videogame que você nunca parou para pensar, ou até mesmo sempre se perguntou “Mas como raios isso é possível?!!”? Agora pare e pense como seria um jogo que tivesse uma trilha sonora que fizesse piadas com todas essas coisas esquisitas e que essa mesma trilha interagisse com as ações do jogador de maneira bem dinâmica, que te levasse em uma aventura bem clássica do tipo “Preciso salvar a princesa, mas ela está em outro castelo…”, homenageando o molde clássico dos jogos 2D e mais ainda, fosse feito por brasileiros e para várias plataformas? Isso meus amigos, se chama A Lenda do Herói – O Jogo.

Idealizado pelos Irmãos Castro, tudo começou com simples vídeos no YouTube que mostravam um protótipo de um jogo com músicas de fundo cantadas e tocadas pelos próprios Marcos e Matheus Castro e que faziam paródia com vários dos clichês que acontecem nos jogos de plataforma 2D side scroller, sim, aquele estilo clássico que você só pode ir para a direita ou para a esquerda.

a-lenda-do-heroi-o-fase-1-1920x1080

Depois de uma série de vídeos que foi divida em quatro fases, foi lançada uma campanha de crowdfunding no catarse para o desenvolvimento do jogo que teria o mesmo nome da série de vídeos, A Lenda do Herói já era um sucesso, e quando foi anunciado que dali sairia um jogo de verdade, nós do Modo Meu não podíamos ficar de fora e apoiamos o projeto. Ganhando assim o direito de ter uma cópia do jogo após o seu lançamento e também de poder jogar a prévia do jogo, que foi lançada apenas para Windows.

Confesso que depois de ter visto todos os vídeos, fiquei imaginando como seria a jogabilidade principalmente e como seria a trilha sonora, afinal de contas acho que não só eu, mas muitos queriam ouvir aquele bom som que tocava no youtube.

Depois de ter jogado a prévia, vi que a mistura de trilha sonora com as letras ficaram bem mais interessantes e não repetitivas quanto imaginei, pois durante o jogo aquelas dicas que ficam aparecendo nos jogos atuais e que paralisam a tela na verdade são cantadas de acordo com tudo que já foi “cantado” no youtube.

a-lenda-do-heroi-01-1200x440

Curti bastante a jogabilidade, história e a dinâmica da prévia, que não deve ser muito diferente da versão final, mas tenho uma grande esperança de que vai ser possível alterar o controle do jogo, pois esse negócio de usar o direcional do teclado pra guiar o personagem e a tecla Z pra pular não é pra mim, sou totalmente adepto ao WASD (entendedores entenderão).

Agora que finalmente estamos em 2016, onde até data de lançamento oficial A Lenda do Herói já tem, que será no dia 24/03/2016 e terá versões disponíveis para Windows, Linux e Mac OSX. Vou aproveitar para deixar alguns links aqui embaixo para você conhecer mais sobre o projeto e caso se interessar, comprar logo na pré-venda, pois aqui no blog só estamos esperando esse lançamento pra passar um bom tempo jogando.


03/12/2015 - Categoria: Games - Autor(a): Dyego Cruz

Jogos-lançados-em-2015_Modo-Meu

Todo ano temos inúmeros lançamentos de jogos de várias empresas e para vários consoles/pc’s ou também aqueles que são exclusivos de um único console. E nesse ano de 2015 tiveram alguns que me chamaram mais a atenção e que acredito que são jogos que você deveria separar um tempinho (e um $$ também) para jogar e se divertir, ou ter raiva se for pra jogar no modo mais difícil.

Bloodborne (PS4)

Lançado em Março, Bloodborne é uma ação-aventura exclusiva para PS4 com um clima bem sinistro e tem um estilo de jogo parecidíssimo com os jogos que possuem uma alta dificuldade (mesmo no easy), como Demon’s Soul e Dark Soul, que tem uma dificuldade enooorme para sobreviver e chegar até o final. Jogando em terceira pessoa, o jogador vai para uma cidade em ruínas chamada Yharnam a procura de um poderoso medicamento, mas ao chegar deverá sobreviver aos ataques das hordas de peregrinos furiosamente enlouquecidos e violentos que foram transformados em seres bestiais enquanto procuravam o tal medicamento para curar doenças.

The Witcher 3: Wild Hunt (PC, xBox One e PS4)

Confesso que essa foi a primeira vez que ouvi falar dessa série The Witcher, mas a terceira edição do jogo nos bota em um mundo aberto bem grande no controle de Geralt, cuja história vem sendo contada nos jogos que antecedem The Witcher 3: Wild Hunt. Aqui temos um RPG de ação e o controle de Geralt em terceira pessoa, com a possibilidade de não precisar seguir uma história linear, o uso de magias e espadas, personalização do personagem, andar a cavalinho, direito a cenas picantes de vez em quando e umas sacadas sensacionais na dublagem brasileira.

Batman Arkham Knight (PC, xBox One, PC4, MAC, LINUX)

Herdando vários apetrechos e habilidades dos seus antecessores da série Arkham, Batman Arkham Knight está com muito mais do que apenas uma história nova. Melhoria no sistema de combate, maior tempo de vôo com a capa, poder utilizar o arpéu enquanto está planando com a capa e uma das melhores partes, nesse jogo é possível sair pela cidade com o Batmóvel de última geração, podendo chamar o veículo de onde você estiver. P.S: Nesse jogo o Batman não é o Bruce Wayne.

Rise of the Tomb Raider (xBox One, xBox 360)

Depois do sucesso que começou com em 2013 com Tomb Raider, este ano tivemos o lançamento de Rise of The Tomb Raider, onde nossa queria Lara Croft embarca em mais uma aventura no segundo jogo dessa trilogia (que eu nem sabia seria uma trilogia hehe). Mas para você ver como o negócio é foda e pesado, o cenário dessa vez se passa na Rússia, onde Lara tenta encontrar uma cidade lendária chamada Kitezh, que dizem esconder o segredo da imortalidade.

P.S: O jogo só sairá para PC e PS4 no primeiro trimestre de 2016.

Star Wars Battlefront (PC, xBox One, PS4)

Sendo o terceiro da série que começou em 2004 com Battlefront e Battlefront II em 2005, não poderia deixar de falar de um dos jogos que com certeza (pelo menos para mim) foi um dos mais esperados do ano, assim como o novo filme da saga Star Wars, O Despertar da Força, Star Wars Battle Front é mais uma das coisas que vão trazer muito tempo de diversão para os marinheiros de primeira viagem nessa galáxia muito muito distante, quanto também muita nostalgia ao poder ter um jogo de mundo aberto com todos os cenários dos filmes e até ter a chance de jogar ao lado ou com os personagens favoritos.

É provável que alguém vá sentir falta de Halo 5: Guardians e Fallout 4, que também foram lançados em 2015, mas como não curto muito esse estilo, então achei melhor apenas citar aqui no final e dizer que no lançamento de Fallout teve até sites MUITO acessados que tiveram uma certa redução em seus acessos.

Então é isso, espero que goste dessas dicas e que consiga guardar não só tempo, mas um dinheirinho para poder jogar nem que seja só um desses que comentei.

Links para comprar os jogos: