Modo Meu

Categoria: Mangá

03/08/2015 - Categoria: Mangá - Autor(a): Israel Del Duque

Terra-Formars

O mangá que prova que nem todas as ideias dos cientistas são grandes ideias.

Este mês chegou às bancas de todo o Brasil pela Editora JBC, o mangá Terra Formars, um dos grandes sucessos no Japão atualmente, e claro, bastante aguardado pelos fãs do lado de cá do globo. Escrito por Yu Sasuga e ilustrado por Ken-Ichi Tachibana, o mangá ganhou dois OVAs (baseados nesse primeiro volume) e uma série de 13 episódios, ambos lançados em 2014, e terá uma versão em live-action em 2016.

Devido aos diversos problemas ambientais ocorrendo na Terra, um grupo de cientistas no final do século 21 resolveu que era hora de procurar outro lugar para a humanidade prosperar e enviou dois organismos para Marte com o objetivo de fazer o planeta se tornar habitável. Um desses organismos era uma espécie de alga modificada para purificar a atmosfera. O outro, um inseto asqueroso e bastante comum, que se alimentaria dessa alga e seria responsável por espalhá-la por todo o planeta: as baratas.

Terra-Formars-capa-mangá

A história começa 500 anos depois, quando a nave BUGS 2 está prestes a pousar em Marte, após a nave anterior, BUGS 1, ter falhado em sua missão. Aparentemente algo de muito grave aconteceu com a primeira equipe e todos acabaram morrendo na missão, deixando para trás apenas um alerta. E é quando a BUGS 2 pousa em Marte que os tripulantes percebem porque a primeira missão não deu certo.

O primeiro volume de Terra Formars tem uma historia fechada, focada na BUGS 2 e no desenvolvimento de alguns personagens. Para enfrentar a ameaça (que logo é chamada pelos próprios tripulantes de Terraformars), cada um ganha as habilidades de um inseto diferente, e o narrador faz questão de explicar as habilidades baseadas em cada inseto, o que é muito bacana.

terra-formars-página-mangá

Conforme você vai avançando as páginas fica curioso para saber como/se que os personagens vão conseguir escapar das baratas, e o clima de tensão vai aumentando cada vez mais. Eu fiquei querendo ler o segundo volume logo em seguida, mas infelizmente, agora só mês que vem =(

Apesar de ser o primeiro volume, os desenhos estão bem trabalhados, bem diferente de outros mangás em que podemos ver a evolução do autor com o passar dos volumes. Duvido que o traço tenha grandes modificações mais para frente.

A edição tem cerca de 210 páginas em papel offset (nada de papel jornal com tinta sujando o dedo) e a periodicidade do mangá é mensal, com distribuição nacional, no valor de R$14,90

Se você se interessou pela história, a Editora JBC disponibilizou um preview do primeiro capítulo no link: http://mangasjbc.uol.com.br/terra-formars-preview/

OVA – Teaser

Live Action – Teaser


26/12/2012 - Categoria: Mangá - Autor(a): Caio Túlio Costa

Jigoku Shoujo no Modo MeuA vingança é uma atitude presente em todas as camadas de nossa sociedade. O comportamento da humanidade caminha lado a lado com esse sentimento até os dias de hoje. A filosofia do “olho por olho” é uma prova disso, inclusive, vários pensadores ainda creem que a vingança é necessária para manter um estado social justo. É abordando essa temática que a franquia de horror ‘Jigoku Shoujo’ conseguiu se firmar e conquistar muitos fãs no mundo todo.

Criada por uma parceria entre a produtora Aniplex (Fullmetal Alchemist) e o Studio Deen (Nurarihyon no Mago), Jigoku Shoujo é uma série de animação de 26 episódios que fora exibida entre 2005 e 2006.  Dirigida por Takahiro Omori (Baccano!) e escrita por Hiroshi Watanabe (Video Girl Ai), a história da ‘Donzela do Inferno’ é sucesso de crítica e referência no horror moderno japonês. Diferente da maioria das franquias, Jigoku Shoujo teve sua série em mangá adaptada a partir da animação. Seus quadrinhos foram escritos e desenhados por Miyuki Eto e publicados pela aclamada Editora Kodansha (Great Teacher Onizuka). A série conta com nove volumes criados entre 2005 e 2008.

O enredo de Jigoku Shoujo se destaca entre as franquias de horror por conta de elementos da modernidade. Ai Enma é uma garota com aparência de colegial responsável pelo site Jigoku Tsuushin (algo como correspondência do inferno). O portal age como mediador entre Enma, a Donzela do Inferno, e pessoas que anseiam por vingança. A partir da meia-noite até às seis da manhã de cada dia, o site torna-se acessível, permitindo que qualquer um que o conheça possa dar o nome de alguém de quem deseja se vingar. A partir da identificação nominal, o indivíduo é enviado para o sofrimento eterno no inferno. Concretizando os pedidos, Enma procura saber se os motivos são justos e firma um contrato com os oprimidos. Mas há um preço caro para cada ação. Se uma vaga no inferno é preenchida pelo acordo, outra precisa ser ocupada por quem se vingou. É exatamente essa linha tênue entre o terror psicológico das escolhas e as ações que alimentam o sentimento de vingança que dão o ar macabro de Jigoku Shoujo.

Jigoku Shoujo - Arte

Cada episódio ou capítulo nos apresenta um caso com diferentes conflitos de interesses, vinganças, maldades e contratos infernais. As histórias são independentes, mas também nos mostram um pouco da origem obscura de Ai Enma. Com muito mistério, horror psicológico e terror sobrenatural, o clima de Jigoku Shoujo é potencializado por sua trilha sonora de sucesso, que através da música faz jus a toda a sua temática. As cores, fotografia e toda a arte em geral da franquia é fantástica e hipnotizante.

O sucesso da franquia foi tão grande que após o fim da animação em 2006, uma segunda temporada chamada Jigoku Shoujo Futakomori foi exibida ainda no mesmo ano. Também com 26 episódios, a série foi escrita por Ken’ichi Kanemaki (11eyes) e conseguiu o mesmo destaque da primeira.  Com isso, dois novos quadrinhos foram escritos por Miyuki Eto, são eles New Hell Girl e Hell Girl R (que ainda está em publicação).

Ao conquistar todo o solo japonês, a franquia de Jigoku Shoujo foi ainda adaptada para um drama live action, ou seja, uma série com atores reais que retrata todo mistério e o horror infernal presente na história. Com seus 12 episódios, o seriado foi exibido também entre 2006 e 2007. Dirigida por Makoto Naganuma (Koinu no Warutsu), o drama alcançou um público maior, que também pode conferir uma terceira temporada da animação, a Jigoku Shoujo Mistuganae, que com maestria causou tensão em muitos que acompanharam os seus 26 episódios entre 2008 e 2009.

Jigoku Shoujo - Live Action

Não apenas espalhando o horror nos quadrinhos e televisão, Jigoku Shoujo foi adaptado para dois jogos de videogames que foram sucesso de vendas. Akekazura para Nintendo DS (2007) e Mioyosuga para PlayStation 2 (2009).

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail;  Sério mesmo cara, manda aí!

Você pode, o blog é nosso.


21/11/2012 - Categoria: Mangá - Autor(a): Caio Túlio Costa

Sem delongas, Uzumaki é uma aclamada série surgida inicialmente em mangá, que explora a verdadeira essência do horror psicológico. A trama é considerada um marco do terror japonês contemporâneo, fez muito sucesso, servindo inclusive, de base para novas histórias e de inspiração para novos autores. Por isso a obra é muito respeitada e cultuada no mundo inteiro.

Os quadrinhos desta série foram criados por um dos mestres do horror nipônico, o perturbador Junji Ito, conhecido por seus trabalhos, narrativas aterrorizantes e por ser discípulo do também renomado e premiado autor Kazuo Umezu, responsável pela história de ‘Baptism of Blood’ que ganhou, até mesmo, versão cinematográfica.

Junji Ito lançou o mangá ‘Uzumaki’ em 1998. Pouco tempo depois, sua publicação se tornou um sucesso dentre os mangás adultos. Vendido pelo selo ‘Big Comic Spirits’ da Editora Shogakukan, a mesma de ‘Detective Conan’, os quadrinhos de ‘Uzumaki’ foram divididos em apenas três volumes que compilam um total de 20 capítulos.

O mangá também teve sua publicação em terras canarinhas. No ano de 2006, a Conrad Editora trouxe o trabalho para cá em três edições totalmente traduzidas. Os fãs do terror contemporâneo puderam conferir 700 páginas de puro horror psicológico e se deliciar com a perturbadora imaginação e a mente de Junji Ito.

HISTÓRIA

O enredo promissor da trama se desenvolve na tradicional, pacata e fictícia cidade de Kurozu-cho, no Japão. Tudo começa quando alguns moradores do local começam a apresentar uma estranha obsessão por formatos em espiral, seja um vaso, corrente de água ou um caramujo, qualquer forma que lembre a curva plana que gira em torno de um polo torna-se motivo de fascínio. Amaldiçoados por uma série de eventos, as pessoas se tornam paranoicas, e a história se desenrola em um horror psicológico que se utiliza de vários joguinhos mentais e sádicos.

Kirie é a protagonista da história que mistura horror psicológico e paranoia.

Assim, algumas mortes horríveis e grotescas estão presentes e os frutos de acontecimentos apocalípticos dão um ar polêmico à série. As transformações de personagens são um dos pontos fortes do mangá e a insanidade e seus devaneios são os principais tópicos abordados na obra. Neste trabalho, Junji Ito confirma sua fama, pois consegue descrever com maestria a instauração do terror em ambientes calmos e, aparentemente, livres do mal.

CINEMA

Em 2000, ´Uzumaki´ ganhou uma adaptação cinematográfica dirigida pelo diretor japonês Higuchinsky de ´Nagai Yume´ (Long Dream). A protagonista, Kirie, é interpretada pela atriz Eriko Hatsune e o longa-metragem foi filmado abusando de pesados tons de verde, imitando as placas de cores usadas nos quadrinhos originais.

Uma das curiosidades é que seu principal trailer é uma homenagem direta ao clássico trailer de ´À bout de souffle´, do badalado cineasta francês Jean-Luc Godard. A versão cinematográfica possui um final diferente dos quadrinhos, o que enfureceu boa parte dos fãs, mas apesar de tudo disso, o trabalho ainda conseguiu agradar.

´Uzumaki´ é uma ótima pedida para quem gosta de mistério, suspense e um terror tipo desafiante.

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail;  Sério mesmo cara, manda aí! Você pode haha, o blog é nosso.


04/07/2012 - Categoria: Mangá - Autor(a): Caio Túlio Costa

Dr.-Slump-no-Modo-Meu

Akira Toriyama é o autor e ilustrador da franquia Dragon Ball, que sem sombra de dúvidas é dotada de sucesso mundial pela sua fórmula peculiar. Mas antes de iniciar a série e marcar o seu nome no universo das animações e quadrinhos, Toriyama teve toda sua fama e prestígio dedicada a uma de suas maiores obras, o super carismático e cativante Dr. Slump.

dr_slump_002-modo-meu

Publicado de 1980 à 1984 no Japão, Dr. Slump teve 18 volumes e duas séries animadas.A clássica com 243 episódios entre 1981 e 1986 e um remake de 74 episódios entre 1997 a 1999.

Quebrando os padrões de Nonsense e talvez indo até além disso, Dr. Slump conta o dia a dia da Vila Pinguim, um pequeno vilarejo em que seres humanos convivem com as criaturas mais estranhas e acontecimentos mais malucos. Diversos animais, extraterrestres, super heróis e tarados. Sembe Norimaki é um inventor frustrado que mora na vila e crê que construiu a primeira robô do mundo, Arale. Mas devido seu fracasso, cria uma robô míope e ingênua, e mesmo assim, a trata como sua filha. O enredo centra-se nas confusões causadas por Arale, seus amigos e todos os estranhos moradores da vila. Com um show de referências, trocadilhos, piadas e paródias culturais, Dr. Slump é um show de comédia e humor negro inteligente que conquistou muitas pessoas ao redor do mundo.

EM OUTRAS MÍDIAS

Dr. Slump teve a produção de 10 filmes longa-metragem animados e vários jogos eletrônicos que passaram por diversas plataformas, como do Nintendo Entertainment System ao PlatStation. Crossovers entre Dr.Slump e Dragon Ball foram criados para homenagear e referenciar as duas séries, até mesmo em episódios das duas séries em que personagens invadem a história e aparecem como figurantes em partes cruciais e eventos relacionados.

Confiram a abertura e um momento épico de Crossover:

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.

Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail.