Modo Meu

Cavaleiros do ZodíacoTag:

03/07/2015 - Categoria: Cinema e TV - Autor(a): Rodrigo Emannuel

protagonistas-chatos-capa

O post contém alguns Spoilers, mas se assim como eu, você não estiver interessado em decepção, garanto que pode continuar a leitura sem medo de ser feliz!

Aaaaah os protagonistas! Como não odiar amar esses seres extraORDINÁRIOS? Eles são os queridinhos da galera, o centro das atenções, o “erro” do escritor e com certeza, não são de forma alguma, a última bolacha do pacote.

Nessa minha longa vida de 19 anos e 172176236721837 zilhões de séries, livros e filmes, eu sempre tive um pé atrás com os protagonistas. Não que eu seja do contra ou algo assim, até admito que existem protagonistas sensacionais em que não ousaria colocar defeitos, mas tem alguns outros em que é simplesmente impossível de se gostar, e mais impossível ainda de deixar o “rancor pós final” de lado.

Além do mais, como escritor, ainda que iniciante, eu me posiciono de forma totalmente contrária a centralização dos acontecimentos importantes em um só personagem, é uma receita que desanda, e com tantos bons e originais “Chefs” por aí, eu acho uma perca de tempo seguir “receita clássica” só por ser o caminho mais seguro.

E para provar que existem protagonistas capazes de estragar/atrapalhar o desenvolvimento de uma boa história, vou listar quatro dessa espécie nem tão rara:

1 – Tom Mason (Falling Skies)

tom mason - falling skies

Ele é o mocinho, o “Professor” de Falling Skies, sempre com sua independência, ética e amor a Terra, luta contra alienígenas a 5 temporadas e já passou por diversas situações de quase morte, sobrevivendo a encontros face a face com diversos aliens, sinucas de bico com seus piores inimigos, explosões e tiros que matariam até o Batman, e até mesmo uma ida á lua com um retorno totalmente duvidoso. É conhecido por suas façanhas na Second Mass, e até mesmo ganhou o respeito do povo Volm, que dispõem de uma tecnologia muito mais avançada, mas insistem ainda assim em ser os “cães do exército” de Tom Mason.

Como se já não bastasse tudo isso, os Espheni, vilões e responsáveis por exterminar grande parte da humanidade, não conseguem de jeito nenhum (É intervenção Divina, só pode) destruir um bando de soldados e alguns civis, que estão é claro, com Tom Mason.

2 – Ablon (A Batalha do Apocalipse)

Vamos falar do anjo renegado, o “Primeiro general” da ordem dos querubins: Ablon. Ele é o protagonista de “A Batalha do Apocalipse”, um livro do brasileiro Eduardo Spohr, que tinha tudo para ter um final fantástico.

Não que Ablon seja um personagem insuportável, ele é um guerreiro nato e participou de grandes acontecimentos no Céu, mas as situações em torno desse anjo guerreiro são tão surreais em contraste com o poder de seus oponentes, os arcanjos Miguel e Lúcifer, tudo que você espera é um desfecho honesto, e não é isso que acontece. Não fosse o poder do protagonismo, A Batalha do Apocalipse seria aquele livro que eu, em outras circunstâncias te indicaria e diria: “Wow, esse livro é do caralho!”. Mas para a minha própria frustração, existe Ablon.

3 – Clarke Griffin (The 100)

Clarke Griffin-The-100-season-2

Ela é uma daquelas adolescentes rebeldes e incontroláveis, teve que amadurecer mais cedo graças a diversas situações enfrentadas, dentre elas, a execução de seu pai. Como uma dos “100”, ela não demora a se mostrar como uma possível líder, seria um ótimo posicionamento, se a liderança dela não fosse singular, uma característica nada apreciada para alguém liderando diversas vidas que estão por um fio.

Clarke é uma personagem ao melhor estilo Tom Mason, não morre nem fodendo! Além disso, tem a admiração de todos os outros, mesmo tratando-os mal a todo momento. Ela já recusou ordens diretas de Chanceleres, que executaram muitas pessoas por menos, e saiu impune. Parou a revolta de um povo sedento por sangue, e ainda ganhou uns beijos da comandante do exercito rival. Clarke Griffin é pra mim, – 100.

4 – Seiya de Pégaso (Saint Seiya)

god_saint_seiya_pegasus_by_sonicx2011-d683ci2

Tá, eu sei que quase todo mundo curte os Cavaleiros do Zodíaco, e muita gente gosta dos cavaleiros de bronze, mas convenhamos que o Cavaleiro de Pégaso as vezes tira qualquer um do sério. Seiya é o queridinho de Atena, sua ligação forte com Saori já o tirou de boas enrascadas, e junto de seus companheiros, do protagonismo, e com uma mãozinha da armadura de sagitário, ele venceu batalhas impossíveis.

Apesar de carregar o apelido de matador de Deuses graças a sua ligação histórica com seus antepassados, Seiya não convence que é forte o suficiente para ser merecedor de tal alcunha, ele é do tipo que apanha de montão pra ganhar de forma heroica e sofrida no final.

Com tantos cavaleiros fortes e interessantes como seus quatro companheiros de bronze, os 12 de ouro, e até mesmo alguns de prata, jogar tudo nas costas de Seiya é um desperdício, além do mais, Tenma de Pégaso, da saga Lost Canvas, coloca Seiya no bolso e honra o apelido.


01/06/2015 - Categoria: Animes - Autor(a): Rodrigo Emannuel

db super-cdz soul of gold-digimon adventure tri

Fala galera, hoje o papo aqui é até certo ponto nostálgico, mas vai com calma, sem muita sede ao pote, que não vamos só relembrar o passado, mas sim colocar um dos pés no presente, e o outro logo ali, num futuro bem próximo.

O ano de 2015 traz consigo a volta de alguns animes mais do que consagrados, entre eles estão Digimon Adventure Tri, Dragon Ball Super e Cavaleiros do Zodíaco Soul of Gould. Os três animes tem uma coisa em comum nessa nova etapa: A difícil missão de resgatar os fãs antigos, e a mais difícil das missões, conquistar também a nova geração.

É claro que isso não é fácil, agradar dois públicos de gostos muito distintos é bem complicado. Mas vamos lá tentar destacar alguns dos pontos que podem tornar essa missão árdua, um grande sucesso. E para começar, vamos é claro, de Digimon Adventure Tri. Alias, juro solenemente (de dedos cruzados), que serei imparcial quanto a esse anime.

Digimon Adventure Tri

digimon-tri.1920x1200

A primeira coisa que agrada, e muito, nessa volta de Digimon Adventure, agora Digimon Adventure Tri, é a presença de todos, eu disse TODOS os personagens que faziam parte do eixo principal, lá no inicio da saga. Quem aí, que assim como eu acompanhou a saga durante toda infância, não sentiu falta de ver a dupla Tai e Agumon se aventurando no DigiMundo ?

Digimon Adventure teve também como um de seus pontos fortes, os laços de amizade que a saga priorizava. Talvez esse fator se torne um atrativo, até mesmo para o público mais jovem, que viu um pouco disso em animes como Naruto, mas não teve a chance de presenciar isso em relações como a de Tai e Agumon, ou Ash e Pikachu em Pokemon.

Outro elemento muito legal, é o fato do anime se passar já com os personagens todos em fase adolescente/adulta, o que com certeza, somado ao fato de eles já conhecerem o DigiMundo, vai render ótimas histórias.

Digimon Adventure Tri chega no dia 21 de Novembro de 2015, e infelizmente será em um formato que não estamos muito acostumados a ver, Toei Filha da Puta, o que viria a ser uma série, será um filme dividido em seis partes, POIS É! Tomara que dê pelo menos para matar um pouquinho da saudade, e se ainda não viu o video-promo, confere ae:

Cavaleiros do Zodíaco – Soul of Gould

CDZ - SOUL OF GOLD - capa

Cavaleiros do Zodíaco já está rolando, vai ter ao todo 12 episódios, e na minha opinião está muito, mas muito foda. A série se passa após os acontecimentos da Guerra Santa (Saga de Hades), nas terras geladas de Asgard. Logo após o sacrifício dos Cavaleiros de Ouro na batalha contra Hades, eles são misteriosamente revividos em Asgard, onde um homem chamado Andreas, está no comando no lugar de Hilda (aquela mesma da Saga de Asgard), overdose de Asgard até aqui.

Os adversários são os novos Guerreiros Deuses, que tem como aliado, um estranho poder desconhecido. Os Cavaleiros de Ouro, todos os 12, utilizam armaduras divinas em Soul of Gold, e finalmente tem a chance de mostrar de fato o seu verdadeiro poder.

A série já está sendo um sucesso, e diferente de Cavaleiros do Zodíaco Ômega, que ao meu ver não agradava tanto os antigos fãs, Soul of Gold tem se mostrado muito interessante, principalmente por explorar muito mais os Cavaleiros de Ouro, coisa que a infelizmente interrompida Lost Canvas vinha fazendo muito bem. E como eu não sou de dar spoilers, quem ainda não viu, fica só com o video-promo:

Dragon Ball Super

Dragon-Ball-Freeza-Super

SIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM, EU SEI QUE MUITO PROVAVELMENTE JÁ TA SABENDO DESSE LANÇAMENTO, mas cara, como não querer falar um pouquinho disso também ?

Dragon Ball vai ganhar uma nova saga, intitulada Super, a saga vai se passar logo após os acontecimentos da Saga Boo, e muito provavelmente, após os acontecimentos do último filme, O Renascimento de Freeza. Apesar das poucas informações em torno da série até aqui, já sabemos que o lançamento está muito próximo de ser feito, logo ali no mês de Julho.

Dragon Ball Super, diferente de Dragon Ball GT, tem o roteiro escrito pelo criador original da saga, Akira Toryiama. Além do anime, será lançado também o mangá, e finalmente vamos poder esquecer a existência de Dragon Ball GT.

Se você assim como eu está cheio de dúvidas, deixo aqui um vídeo maneírissimo do canal Casa do Kame, cheio de teorias do que está por vir:

Agora, cá entre nós, é duvidosa a opinião daquele que dizer que nunca, eu repito, nunca, passou nem uma manhãzinha sequer assistindo a uma dessas grandes sagas. E minha pergunta para você é, qual te deixou mais ansioso para assistir?


09/01/2013 - Categoria: Animes - Autor(a): Caio Túlio Costa

Omega no ModoMeu 1

Reinventando os Cavaleiros

Os Cavaleiros do Zodíaco é um dos grandes clássicos da animação japonesa que fez sucesso em todo o mundo, principalmente aqui no Brasil. Este anime marcou a juventude de muita gente e, recentemente, ganhou uma nova saga, Saint Seiya Omega.

A nova fase da franquia animada estreou no dia 1º de abril na emissora nipônica TV Asahi (a mesma que exibiu a série original em 1987) e está bem diferente das duas últimas (Saint Seiya e Saint Seiya: The Lost Canvas).

O autor, Masami Kurumada, não se envolveu com o processo criativo desta vez. Segundo o estúdio, Toei Animation (o mesmo de Sailor Moon e Dragon Ball), a obra é descrita como uma “história original do anime”, ou seja, não é uma adaptação direta dos enredos das outras temporadas.

Dirigida por Morio Hatano (o mesmo de alguns episódios de One Piece) e roteirizada por Reiko Yoshida (de School Rumble e D.Gray-man), a história de Saint Seiya Omega se passa 25 anos após as guerras santas, confrontos em que os Cavaleiros do Zodíaco se envolveram para salvar a deusa Atena das forças malignas.

Omega no ModoMeu 2

Novos guerreiros

Uma nova geração de cavaleiros está sendo formada para enfrentar inimigos que surgiram nesta era, onde Seiya, o Cavaleiro de Ouro de Sagitário, é tido e reverenciado como um lendário herói.

Novos e velhos personagens serão apresentados e redistribuídos no decorrer do enredo em papéis mais expressivos, o que servirá para evidenciar especulações de que a nova saga será uma continuação oficial e direta do anime clássico.

A nova trama, assim como os novos traços da animação elaborados por Yoshihiko Umakoshi, o mesmo de Street Fighter Alpha: The Animation, garantiu à maioria dos fãs uma boa aceitação, mas, em contrapartida, também desagradou muitos apreciadores conservadores, que mesmo sendo a minoria do público, alegaram que o anime clássico estava sendo “ridicularizado e infantil”.

Saudosismo

As homenagens foram pontos muito fortes na nova temporada. A trilha sonora que possui como tema de abertura uma versão “atual” da conhecida Pegasus Fantasy, foi um sucesso.

Essa nova versão da música é interpretada pela banda Make-Up, a mesma do tema antigo, com vocal da cantora Shoko Nakagawa, responsável pela aclamada abertura de Tengen Toppa Gurren Lagann. Essa versão criou um clima nostálgico, mas também trouxe um toque diferente voltado para os novos telespectadores.

Outras novidades

E os fãs não podem nem reclamar de novidades, além da nova série, a Toei Animation aproveitou o lançamento para divulgar o projeto de um longa dos Cavaleiros. Totalmente em computação gráfica, a produção será lançada para homenagear os 25 anos da franquia.