Modo Meu

GAME BOYTag:

31/03/2015 - Categoria: Música - Autor(a): Israel Del Duque

Auto-portrait-en-8-bit-du-groupe-YMCK

Quem cresceu nos anos 90 certamente esbarrou pelo menos uma vez na vida com algum jogo da era 8bits. Seja através do Nintendinho ou mesmo de um GameBoy com as pilhas já quase acabando, a experiência de jogar joguinhos dessa época fatalmente trará lembranças (ou vai dizer que você não se amarrava nas musiquinhas de batalha de Pokémon Red/Blue/Silver/Gold etc?) de uma época em que bastava uma porção de pixels e muita imaginação para passar horas se divertindo na frente da TV ou de uma tela minúscula entre os dedos.

E é exatamente isso que você sente ao ouvir as músicas do YMCK.

A banda japonesa é formada por Midori Kurihara (vocais), Takeshi Yokemura (arranjos e letras) e Tomoyuki Nakamura (composição e vídeos), acumula nos seus mais de dez anos, cinco álbuns (cujos títulos fazem parecer uma franquia de jogos), além de trilhas para jogos como Taiko Drum Master, remixes em 8bits, colaborações e até mesmo aplicativos para criação de músicas 8bits.

Apesar de ser um gênero bem diferente do que a maioria das pessoas estão acostumadas a ouvir, é possível notar influências de outros gêneros mais conhecidos, como Rockabilly e Blues, sem deixar o estilo “música de joguinho”. Obviamente as letras da maioria das músicas são em japonês, entretanto algumas possuem letras em inglês (mas com aquele sotaque que a gente já conhece de longe), o que não é algo que impede de curtir o som e sentir a nostalgia.

Outra coisa que chama a atenção são os vídeos e as capas dos álbuns, que (como não poderia deixar de ser) são em pixel art, o que aumenta a sensação de que você está jogando – ou assistindo a um gameplay de joguinhos antigos.

Se você gostou, ou ficou com vontade de criar as suas próprias músicas em chiptune, deixo os links dos aplicativos do YMCK. Tem pra PC/Mac e para iOS (infelizmente não pra android =/)

Até a próxima!


28/10/2013 - Categoria: Console - Autor(a): Angelo Fonseca

Retron-5

Acompanhado as grandes novidades da EGM 2013 (maior feira de games da América Latina) a empresa Norte-americana HYPERKIN, conhecida por fabricar periféricos para consoles, lança  o RETRON 5.

A novidade desse “RETRÔ GAME”, como o próprio slogan diz: “10 OPÇÕES PARA SE ADQUIRIR UM CONSOLE” é que ele traz suporte de cartuchos para 10 consoles diferentes, dentre eles: FAMICON (Nintendo japonês), NES (nintendinho), MEGA DRIVE, GENESIS (versão americana do mega drive), MASTER SYSTEM, GAME BOY, GAME BOY COLOR  E GAME BOY ADVANCED.

retron5-lg

Aderindo a tecnologia de imagem HDMI, ele busca melhorar a qualidade visual dos jogos amenizando a aparência dos pixels “serrilhados”, trazendo como opção a possibilidade de usar a sua imagem original, característica dos games clássicos de 8 e 16 bits, que particularmente eu adoro!

RetroN-5-zoom

Uma característica muito bacana do RETRON 5 é que o jogador poderá utilizar um Joystick via Bluethooth, que acompanha o console, além de ter a possibilidade de plugar os controles originais de cada videogame para aproveitar, ainda mais, o espírito “old-gamer”.

Um outro atributo importante é que o menu vem  todo em português do Brasil. Além disso, os arquivos de “save” dos jogos poderão ser armazenados em um cartão SD.

retron_5_console_5

Com lançamento agendado para Dezembro nos EUA e Brasil, o RETRON 5 chegará no mercado norte-americano com o preço previsto de U$ 100,00. No entanto, no mercado brasileiro, ele chegará em torno de R$ 500,00, ou seja, já escolhi meu presente de Natal!

Essa é uma boa dica de aquisição para os amantes de games clássicos, como eu, que a priori não mais precisarão de inúmeros emuladores ou “gambiarras” em seus portáteis e/ou computadores, para desfrutar de um bom game nostálgico em seu tempo livre.

Para saber mais sobre o RETRON 5, confira a entrevista feita pelo site 99vidas no stand da HYPERKIN na EGM 2013.


21/08/2012 - Categoria: Animação - Autor(a): Caio Túlio Costa

Criado pelo aclamado produtor  (também responsável por Metroid) e lançado em 1987 para Famicom e NES , Kid Icarus demonstrou o seu grande valor, o que o faz ser cultuado até hoje como um belo clássico. Mesmo ofuscado pela luz de grandes franquias como “The Legend of Zelda”,”Metroid” e “Mario”, o game teve seu mérito seguindo a mesma linha de sucesso e garantiu seu lugar marcando gerações.

Kid Icarus possui o formato de ação em plataforma e elementos de RPG. É considerado um verdadeiro diferencial no mundo dos games pela mistura de diversos gêneros em sua jogabilidade. Sua dificuldade é intrigante, o que infelizmente rendeu alguns pontos negativos para os críticos da época.

Kid Ucarus no Modo Meu2

O game se passa no cenário mitológico de Angel Land, um reino fantástico liderado por duas deusas, Palutena (a Deusa da Luz) e Medusa (a Deusa das Trevas). O desenrolar da história se dá quando a vilã Medusa que despreza os mortais, destrói suas culturas e os transforma em pedra, aprisionando-os na escuridão. Palutena, em fúria, bane a deusa das trevas e a manda para o submundo. Após tempos de paz e com a luz restaurada, Medusa ressurge com um exército de monstros e demônios e então têm sua vingança.

Com Palutena aprisionada, a vilã rouba os três tesouros sagrados responsáveis por estabelecer a luz, são eles o Mirror Shield, Arrow of Light e The Wing of Pegasus. A única esperança do reino é Pit, um anjo subordinado de Palutena que com seu arco mágico, coragem e determinação, enfrentará o império sombrio de Medusa e tentará estabelecer a paz em Angel Land.

Kid Ucarus no Modo Meu3

Uma história a princípio cativante e envolvente. Essa foi a reação do público e críticos especializados. Kid Icarus entrou para a lista “TOP 100 NES Games” da IGN e também no “TOP 100 Games of All Time”, em 20º e 84º. O jogo ainda recebeu a alcunha de ter uma “dificuldade impiedosa”, algo fenomenal para a época. Para terminá-lo completo, com todos os itens secretos, bônus liberados e final alternativo, muitos passaram noites e mais noites em claro tentando realizar a façanha.

Em 1991, Kid Icarus ganha sua sequência “Kid Icarus: Of Myths and Monsters” para Game Boy. Em 2012, a franquia ganhou uma versão para Nintendo 3DS, o “Kid Icarus: Uprising”, que renovou o estilo de jogabilidade adotando a mecânica shooter.

EM OUTRAS MÍDIAS

Kid Icarus é personagem da franquia Super Smash Bros. Brawl. Já teve aparições no clássico Tetris, para NES. Também deu as caras na clássica série televisiva animada “Captain N: The Game Master“, uma bela jogada de marketing da própria Nintendo para promover seus clássicos de 8 bits.

Confiram o Trailer de Kid Icarus: Uprising e uma cena curta de Captain N:

Me diga o que achou do post, só com sua opinião o blog pode melhorar.
Deixe um comentário ou entre em contato por e-mail.