Modo Meu

grammyTag:

16/02/2016 - Categoria: Música - Autor(a): Mariana Fernandes

Lady-Gaga-Nova-Fase

Já parou para pensar o quanto as pessoas mudam? Ou o quanto o marketing pode mudar a sua visão sobre as coisas? – alerta de publicitária falando. Sim, como a foto da capa já denuncia, hoje vou falar de Lady Gaga e a sua mudança extremamente espantosa e significante dos últimos tempos.

Ontem, para quem está lendo esse post na data de publicação, foi o Grammy 2016, onde os grandes nomes da música se reúnem para serem premiados. Como era de se esperar, alguém sempre chama mais atenção e por anos consecutivos a rainha desse foi Lady Gaga, que roubou todas as cenas pelos mais diversos motivos. No começo, não parávamos de comentar as suas entradas triunfais nos eventos, como a vez que ela chegou dentro de uma espécie de ovo e quando saiu estava com o rosto modificado, ou quando ela fingiu ser um homem e não assumiu que era ela. Outras vezes pelo seu visual bizarro que chegava a causar medo, como o famoso vestido de carne ou a falta de roupas.

980x

De repente, a luz que ofuscava tudo e a todos sumiu e voltou dando notícias que estava fazendo uma espécie de workshop com Marina Abramovic, uma das maiores artistas performáticas da atualidade. O que era bem estranho para o seu estilo! Mas aos poucos a mudança começou a ficar mais perceptível. As roupas mudaram, o comportamento, as polêmicas e finalmente o estilo de música. Tanto que seu último álbum (Cheek to Cheek) foi de jazz em parceria com o famoso cantor Tony Bennett.

No último ano, Gaga fez apresentações de homenagem a “Uma Noviça Rebelde“, participou da 5ª temporada da série American Horror Story, qual ganhou um prêmio. Esse ano já começou com a apreesntação do hino no Super Bowl e a belíssima homenagem a David Bowie (que aconteceu ontem).

lady-gaga-tony-bennett

Bem, as pessoas mudam e Gaga mudou para melhor! Não sei se antes era tudo marketing ou agora é que é, mas posso afirmar que ficou mais fácil ver o talento que a cantora carrega.

Vou deixar a homenagem a Bowie e indico o último álbum da cantora, pois parece outra pessoa. Agora vamos esperar as cenas do próximos capítulos “Gaguísticos”.


27/01/2014 - Categoria: Música - Autor(a): Pedro de Farias

Grammy 2014

Ontem aconteceu a entrega anual do prêmio Grammy, prêmio, às vezes bem controverso, de música que tem a pretensão de premiar os melhores trabalhos e performances do ano (além de milhares de categorias técnicas que premiam até equipamentos…) OBS: Se você quer apenas uma lista dos vencedores, tá aqui. Mas eu vou ater a comentar apenas o que acho digno de comentários. Beijo no ombro.

Teve o Metallica fazendo o mesmo dos últimos 15 anos: Vivendo do que fez nos anos 80.

Com a participação do pianista-gênio Lang Lang, o quarteto dessa vez foi muito bem na tarefa de não envergonhar o convidado, ao contrário daquele disco com o Lou Reed… Aliás, Kirk Hammet, estava com uma camisa em homenagem ao recém falecido frontman do Velvet Underground.

E obviamente eles não estavam concorrendo a nada, não estamos mais na época da URSS, amigos…

Teve Jay Z e Beyoncé numa performance quente (de verdade, ou pelo menos convenceu, já que eles são casados e tal)

Menino! Essa Beyoncé hein…

… Dá um caldo loko! Além do talento de ambos, a Sra. Jay Z é absolutamente impressionante em tudo que se propõe a fazer.

Teve a Lorde nos deixando lições

Lição 1: Nem todo mundo é tão prodígio ao vivo quanto é em estúdio. Se a voz da moça é bela no disco, ao vivo ainda mostra falta de maturidade, ela levou o prêmio de melhor música e isso garante que ela não se aposenta tão cedo. Ainda bem!

Lição 2: Se você tem cabelo cacheado e é linda, não destrua o sonho da galera, não se arrisque, não apareça do nada com uma chapinha horrível e um batom emprestado de Mortícia Addams.

Ela só tem 17 anos, não precisa ser a iCarly, mas mano, 17 anos! DEZESSETE. Nesse ritmo, se ela for se acabando gradualmente, nem nos 27 chega.

Teve a Pink e o vocalista daquela banda que ninguém sabe o nome que canta “Tonight we are young”

É isso aí, galera de talento e tal!

Será que a Pink gosta mesmo desse visual masculinizado? Será que é o marido dela que curte? Será que é fake para pegar o público LGBTT? Pouco importa. Desde que essa voz continue sendo usada tão bem.

Teve a #QueenLatifahDiva celebrando um casamento coletivo multi gênero. (Ao som de um monte de gente, da #SeaposentaMadonna inclusive)

Toquei uma vez num evento desse aqui em Fortaleza, foi tão bonito quanto, o amor é massa de todo jeito, cara!

E isso me lembra: Sua cor NÃO define a qualidade de sua música, mas se você canta rap, ser branco ajuda a ser convidado para o Grammy. (Public Enemy NUNCA GANHOU um Grammy, NUNCA!)

Teve Daft Punk, Pharrell, Stevie Wonder e Nile Rodgers

Meu irmão!!! É o supra sumo da disco music e da black music. MÁGICA PURA!

Tão bom que eu quase esqueci que teve a reunião dos membros remanescentes de uma banda aí…

Paul Mcartney e Ringo Star juntos, só pra ficar claro o quanto o primeiro é mais talentoso que o segundo

Não achei o vídeo dessa apresentação, poste nos comentários se achar. Mas esse aqui ilustra a situação:

Nos tempos de zueiraneverends do quarteto de Liverpool, John Lennon chegou a afirmar que Ringo não era o melhor baterista do mundo. Nem era o melhor baterista dos Beatles, aliás

É isso aí!

Como toda premiação, há quem discorde, de unanimidade apenas que as apresentações do Grammy são sempre coisa linda de deus. Beijos e até próximo ano ( Tomara que sem Justin Bieber e Miley Cyrus novamente.).