Modo Meu

Raphael DracconTag:

05/05/2016 - Categoria: Modo Meu - Autor(a): Mariana Fernandes

livros-de-entrada-modo-meu-01

Conversando com alguns amigos sobre como é complicado fazer uma criança gostar de ler com a grade de livros paradidáticos que as escolas nos trazem, decidimos trazer algumas alternativas para quem quer deixar seu pequeno gafanhoto em viciado em literatura.

Resenhas sobres os livros comentados:

Último vídeo:

Siga nas redes:

Facebook: https://www.facebook.com/ModoMeu
Twitter: https://twitter.com/ModoMeu
G+: https://plus.google.com/+Modomeu
Instagram: https://instagram.com/modomeu/
Snapchat: modomeu


16/10/2014 - Categoria: Livro - Autor(a): Dyego Cruz

cemitérios de dragões - raphael draccon - capa - modo meu - dyego cruz

Qual seria a sua reação ao chegar em um mundo desconhecido sozinho, sem saber como chegou, muito menos como voltar e ainda estar sempre sendo ameaçado de morte de várias maneiras possíveis e impossíveis?

Isso é o que aconteceu com cinco seres humanos que de maneiras bem estranhas chegaram a essa dimensão totalmente desconhecida para eles, sem saber o motivo de estarem ali e tentando compreender o mundo em que foram parar sem saber se já estão mortos ou se o que estão vivendo é real.

A dimensão em que se encontram é denominada de Cemitério de Dragões, que sofre com a ameaça de demônios humanóides que não são nem humanos e nem dragões, mas  criaturas bastante poderosas e fortemente armadas com instintos reptilianos, que além da destruição e conquista deste mundo, pretendem vir para a nossa dimensão e assim continuar sua devastação.

Personagens e história

cemitérios de dragões - raphael draccon 02

Derek é um militar americano com muitas habilidades e experiência de guerra, Ashanti é uma ruandesa que conseguiu ficar bastante forte com os ensinamentos do povo que a acollheu pacificamente, Romain é um dublê francês nervoso que que tem sempre uma resposta na ponta da língua e sempre consegue voltar a atenção para si, Daniel é um brasileiro hacker/nerd bem humorado que sabe ouvir os outros e temos também Amber, a garçonete irlandesa com habilidades que você vai se impressionar (olha lá o que cê tá pensando hein).

Na minha opinião os personagens mais icônicos e marcantes foram Daniel e Romain, mas que assim como os outros, geram diálogos que fazer todos os personagens conhecerem não só um pouco mais sobre os outros e o mundo em que se encontram, mas também pensar conhecer a si mesmos e pensar sobre os seus próprios atos.

O que todos tem em comum é que ao longo da história, eles vão compreendendo o que se passa nessa dimensão de maneiras e com povos diferentes, alguns mais rápido, outros com um pouco de dificuldade, mas todos vão firmando laços de amizade e companheirismo para tentar descobrir se é possível voltar para casa e como será esse caminho.

cemitérios de dragões - raphael draccon - 01

A história é contada com bastante maestria e em momento algum se torna nem ao menos “chatinha”, e foi bem divida com momentos de ação, emotivos e com muitas, mas muitas referências que qualquer nerd de plantão (tá bom, não precisa ser não nerd assim) vai conseguir entender pelo menos metade delas e vai se divertir com cada uma que conseguir desvendar.

Pontos marcantes são esses dragões que são encontrados no começo de cada capítulo e também a fonte utilizada para cada tipo de “sotaque”/língua diferente no livro, o que traz uma maior imersão na história.

O autor

Para quem ainda não conhece (o que acho difícil), o autor de Cemitérios de Dragões O Legado Ranger I, que é na verdade o primeiro livro da trilogia O legado Ranger, é nada mais nada menos do que do Raphael Draccon, um grande nome da literatura brasileira atual, que adora viajar entre as dimensões que cria e além de fã de carteirinha de Bruce Lee, é faixa preta de Taekwondo e já ganhou Prêmio de Mérito da American Screenwriter Association (ASA). Acho que dispenso mais comentários né?

cemitérios de dragões - raphael draccon autógrafo - modo meu

O livro também marca a estreia de Draccon na Editora Rocco e o lançamento do selo Fantástica, que é voltado para obras de fantasia, terror e ficção científica.

Enfim espero que tenham gostado, que vão ler o livro e que venham aqui deixar o seu comentário dizendo quais as referências que vocês acharam e o que mais gostaram da história.

Link para compra no Submarino


15/09/2014 - Categoria: Eventos - Autor(a): Mariana Fernandes

Evento - Raphael Draccon e Carolina Mulhoz - FortalezaSegunda-feira começando e está na hora de falar do que houve do fim de semana com o lançamento dos livros e sessão de autógrafos dos autores Raphael Draccon e Carolina Munhoz, aqui em Fortaleza na Livraria Saraiva (Iguatemi).

No último domingo, dia 14 de Setembro de 2014, foi o lançamento dos livros “O reino das vozes que não se calam” da autora Carolina Munhoz, juntamente com Sophia Abrahão, e “Cemitérios de Dragões” do autor Raphael Draccon, que aconteceu na Saraiva do Shopping Iguatemi – Fortaleza. Lançamentos esses que tiveram direito a um pequeno bate papo com as primeiras 40 pessoas da fila e autógrafos para quem tivesse esperando.

Nesse pequeno bate-papo com direito a perguntas, foram ditas algumas novidades da carreira dos autores, como a série Dragões de Éter do Draccon, que em breve estará disponível nas versões de mangá e game para mobile. Também há uma esperança de que esta mesma obra seja adaptada para o meio cinematográfico internacional (#beijoprasrecalcadas), devido a alguns contatos do autor com produtoras de Hollywood.

Draccon autografando para o Modo Meu Draccon e Dyego no Modo Meu

Falando da Carolina Munhoz, ela adiantou que tem uma trilogia confirmada, qual ela já havia começado, mas parou para escrever seu último livro com Sophia Adrahão, e que pode haver uma possibilidade do livro “O reino das vozes que não se calam” tanto possuir uma segunda edição, quanto ser adaptado para o cinema, devido a um forte pedido dos fãs.

No mais, a sessão de autógrafos foi muito legal por parte dos autores, mas infelizmente – na minha opinião – a Saraiva não nos tratou muito bem, prometendo que ia acabar com o evento se não nos levantássemos em uma fila de três horas, se não saíssemos da sala e por aí vai. Quem conhece o Modo Meu sabe que eu não gosto nem um pouco de reclamar de coisas assim, mas acho que dessa vez é precioso para que quem sabe, as coisas melhorem.

Mary e Carolina Munhoz no Modo Meu