Modo Meu

sonyTag:

03/12/2015 - Categoria: Games - Autor(a): Dyego Cruz

Jogos-lançados-em-2015_Modo-Meu

Todo ano temos inúmeros lançamentos de jogos de várias empresas e para vários consoles/pc’s ou também aqueles que são exclusivos de um único console. E nesse ano de 2015 tiveram alguns que me chamaram mais a atenção e que acredito que são jogos que você deveria separar um tempinho (e um $$ também) para jogar e se divertir, ou ter raiva se for pra jogar no modo mais difícil.

Bloodborne (PS4)

Lançado em Março, Bloodborne é uma ação-aventura exclusiva para PS4 com um clima bem sinistro e tem um estilo de jogo parecidíssimo com os jogos que possuem uma alta dificuldade (mesmo no easy), como Demon’s Soul e Dark Soul, que tem uma dificuldade enooorme para sobreviver e chegar até o final. Jogando em terceira pessoa, o jogador vai para uma cidade em ruínas chamada Yharnam a procura de um poderoso medicamento, mas ao chegar deverá sobreviver aos ataques das hordas de peregrinos furiosamente enlouquecidos e violentos que foram transformados em seres bestiais enquanto procuravam o tal medicamento para curar doenças.

The Witcher 3: Wild Hunt (PC, xBox One e PS4)

Confesso que essa foi a primeira vez que ouvi falar dessa série The Witcher, mas a terceira edição do jogo nos bota em um mundo aberto bem grande no controle de Geralt, cuja história vem sendo contada nos jogos que antecedem The Witcher 3: Wild Hunt. Aqui temos um RPG de ação e o controle de Geralt em terceira pessoa, com a possibilidade de não precisar seguir uma história linear, o uso de magias e espadas, personalização do personagem, andar a cavalinho, direito a cenas picantes de vez em quando e umas sacadas sensacionais na dublagem brasileira.

Batman Arkham Knight (PC, xBox One, PC4, MAC, LINUX)

Herdando vários apetrechos e habilidades dos seus antecessores da série Arkham, Batman Arkham Knight está com muito mais do que apenas uma história nova. Melhoria no sistema de combate, maior tempo de vôo com a capa, poder utilizar o arpéu enquanto está planando com a capa e uma das melhores partes, nesse jogo é possível sair pela cidade com o Batmóvel de última geração, podendo chamar o veículo de onde você estiver. P.S: Nesse jogo o Batman não é o Bruce Wayne.

Rise of the Tomb Raider (xBox One, xBox 360)

Depois do sucesso que começou com em 2013 com Tomb Raider, este ano tivemos o lançamento de Rise of The Tomb Raider, onde nossa queria Lara Croft embarca em mais uma aventura no segundo jogo dessa trilogia (que eu nem sabia seria uma trilogia hehe). Mas para você ver como o negócio é foda e pesado, o cenário dessa vez se passa na Rússia, onde Lara tenta encontrar uma cidade lendária chamada Kitezh, que dizem esconder o segredo da imortalidade.

P.S: O jogo só sairá para PC e PS4 no primeiro trimestre de 2016.

Star Wars Battlefront (PC, xBox One, PS4)

Sendo o terceiro da série que começou em 2004 com Battlefront e Battlefront II em 2005, não poderia deixar de falar de um dos jogos que com certeza (pelo menos para mim) foi um dos mais esperados do ano, assim como o novo filme da saga Star Wars, O Despertar da Força, Star Wars Battle Front é mais uma das coisas que vão trazer muito tempo de diversão para os marinheiros de primeira viagem nessa galáxia muito muito distante, quanto também muita nostalgia ao poder ter um jogo de mundo aberto com todos os cenários dos filmes e até ter a chance de jogar ao lado ou com os personagens favoritos.

É provável que alguém vá sentir falta de Halo 5: Guardians e Fallout 4, que também foram lançados em 2015, mas como não curto muito esse estilo, então achei melhor apenas citar aqui no final e dizer que no lançamento de Fallout teve até sites MUITO acessados que tiveram uma certa redução em seus acessos.

Então é isso, espero que goste dessas dicas e que consiga guardar não só tempo, mas um dinheirinho para poder jogar nem que seja só um desses que comentei.

Links para comprar os jogos:


28/04/2015 - Categoria: Séries - Autor(a): Elizabeth Viana

The Lizzie Borden Chronicles

Olá pessoas! Estava eu, surfando entre os canais da TV em busca de algo bom para assistir, e eis que me deparo com essa série… As Crônicas de Lizzie Borden (The Lizzie Borden Chronicles), que é uma continuação da história iniciada no filme de 2014, Lizzie Borden Took an Ax.

A série teve estréia no dia 5 de abril desse ano pra você que não sabe estamos no ano de 2015 e aborda a vida de Lizzie quatro meses depois de ela ter sido absolvida da acusação de ter assassinado o pai e a madrasta com quarenta machadadas.

A história se passa em 1892, onde Lizzie (Christina Ricci) e sua irmã mais velha Emma (Clea DuVall) tentam começar uma vida nova em meio a má reputação de Lizzie e dos problemas financeiros que herdaram do pai. Acontece que um detetive particular, Charles Seringo (Cole Hauser), foi contratado para encontrar mais provas contra Lizzie e assim poder reabrir o caso em que a mesma foi inocentada.

The Lizzie Borden Chronicles - Christina Ricci

Nesse processo de recomeço vários obstáculos vão surgindo e dificultando ainda mais a vida de Lizzie e somado a isso várias pessoas que a rodeiam vão morrendo, e assim temos um detetive em seu encalço louco para provar que ela está matando as pessoas para acabar de uma vez por todas com as pedras no caminho.

A série é produzida pela Sony Pictures Television e a produção executiva conta com nomes envolvidos em trabalhos como ‘House Of Lies’, ‘ Mad Men’, ‘Sons Of Anarchy’, ‘Teen Wolf’ e ‘American Horror Story’.

The Lizzie Borden Chronicles - Christina Ricci e Clea DuVall

Eu já tinha visto o filme, claro. E gostado, afinal se trata de uma história real e tem a presença da Christina Ricci. Eu acho que essa série tem tudo para dar certo, drama e uns suspenses assim de leve. Logo no primeiro episódio eu me lembrei dos filmes do Freddy, sim sim o Krueger, na parte das criancinhas cantando aquela canção bem fofinha. E a série vai seguindo assim, apresentação bacaninha dos personagens seguida de mortes e depois cenas dentro de um tribunal. E depois vem o fim… Bem, o final… Agrada! Só não gostei muito porque são apenas oito episódios.

Ah… E se você tem problemas com sangue não assista, ou aprenda a lidar com isso. E eu não acho necessário assistir ao filme antes porque dá pra entender bem a série assim, mas em caso de curiosidade vejam o filme também.


24/03/2015 - Categoria: Séries - Autor(a): Mariana Fernandes

PanAm_Modo Meu

Sabe quando uma pessoa tem dedo podre para encontrar séries que já foram canceladas? Se alguém é assim, já vou avisando que entrei para o clube com força total, e se você não acredita, dá uma olhada nas minha últimas resenhas e diz que eu não tenho talento pra isso. A cancelada da vez, que mesmo assim vale a pena assistir, é a série Pan Am, uma produção da Sony que tentou acompanhar o hype de Mad Men, mas infelizmente não teve sorte.

Pan Am é uma série baseada em acontecimentos históricos da década de 60 e em uma das empresas aéreas mais famosas do período, que dá nome a obra. Se você procurar no Google imagens de aeromoças desse período, provavelmente encontrará uma garota Pan Am, devido a forte referência que essas mulheres torceram a essa profissão. A empresa que começou em 1927, se baseou em estudos que afirmavam que funcionárias semelhantes a enfermeiras trariam maior tranquilidade ao passageiros, que naquele período, tinham muito medo de viajar de avião. Assim, só em 1944 a profissão de aeromoça foi criada, com a finalidade de servir e trazer maior conforto aos clientes e com outras diversas exigências as mulheres que seriam a nova cara da empresa.

Pan Am_aeromoças_Modo Meu Pan Am_cena

A garotas Pan Am ganharam uma maior independência devido a profissão cobiçadíssima pelas mulheres, afinal quem não sonhava de conhecer o mundo, sem falar na posição de independência que essas mulheres apresentavam. Mas para se encaixar nesses sonho, haviam regras e padrões que iam desde fardamento a peso, idade, corte de cabelo e principalmente estado civil, qual a série faz questão de apresentar logo no primeiro episódio quando uma das personagens diz: Garotas Pan Am podem exercer sua profissão até o casamento ou até completarem 32 anos, após isso precisam deixar os seus cargos.

O elenco principal é constituído pela equipe do vôo inaugural do Clipper 707, as aeromoças: Maggie (Christina Ricci), opiniosa e ambiciosa que não tem medo de quebrar as regas, Colette (Karine Vanasse), uma vítima da segunda guerra que se apresenta confidente e sonha encontrar um amor, Laura (Margot Robbie), a novata ingênua que fugiu do casamento em busca da independência, e Kate (Kelli Garner), irmã mais velha de Laura, que desde cedo seguiu seus sonhos de conhecer o mundo e ajudar o seu país; e os pilotos: Dean (Mike Vogel) e Ted (Michael Mosley). Uma equipe bem unida quando se trata de homens e mulheres, pois todos parecem se defenderem e se respeitarem, o que é bem incomum quando pensamos no sexismo dos anos 60.

Pilotos_Pan Am panam-abc

A série ainda apresentam situações do período, como a Guerra Fria, espiões americanos, as eleições de Kennedy, a revista Life, qual Laura acaba aparecendo na capa e se tornando uma pequena celebridade logo em seu primeiro dia de trabalho, entre outras situações, sempre apresentadas envolvendo uma das personagens femininas.

Devido a estética da série e o período de lançamento, ela é super comparada com Mad Men que é um sucesso, porém, não sei se foi a minha obrigação profissional de assistir que me deixou meio incomodada ou se foi outra coisa, mas até hoje eu me arrasto por ela e não consigo ter tanto interesse; e The Playboy Club que também aborda um lado feminino, mas com suas diferenças, o que confesso que me despertou um certo interesse.

pan-am

Infelizmente a série foi cancelada após o término na primeira temporada, por alegações de queda de audiência, contudo, porém, entretanto, ainda recomendo Pan Am (é bom né, pois se não fosse pra recomendar esse post não faria sentido), pois me encantou bastante ver o lado feminino dessa época sem ser aquelas donas de casa padrão e os preconceito em cima de mulheres diferentes desse estilo, como eu vi em Mad Men. Bem, fique com o trailer e divirta-se! Ahhhhh, quase ia me esquecendo, tem no Netflix.


14/10/2014 - Categoria: Eventos - Autor(a): Alan Jônatan

brasil-game-show-bgs-entrada

A feira voltada para o público gamer, Brasil Game Show, ocorreu de 08 a 12 de Outubro e teve mais de 250 mil visitantes durante esses cinco dias e teve como destaque Mortal Kombat X e Resident Evil Revelations 2.

Confira um resumo de tudo que aconteceu na feira:

Microsoft – X-box

microsoft-xbox-bgs

Esse ano a Microsoft investiu para ter o stande que mais chamou atenção na feira. Fácil de ser encontrado por causa de sua cor verde limão e com diversas novidades, o destaque ficou por conta do jogo do X-Box One Sunset Overdrive, e a quantidade consoles disponíveis para quem quisesse testar o jogo.

X-Box One Sunset Overdrive

Playstation

playstation-sony-bgs

Um dos três maiores estandes da feira, sendo os outros dois da Warner e da Xbox. Aqui o destaque era o game The Order: 1886, franquia inédita da Sony com bons gráficos e história que parece ter saído do cinema. Mas para quem se empolgou com ele recebeu a notícia que infelizmente jogo só sai em 2015, então só nos resta esperar.

Warner

jovem nerd e matando robôs gigantes mrg na bgs

O estande que era uma arena e teve presença de grandes personalidades da internet . Ganhou um estilo cinematográfico na apresentação dos jogos Dragon Age: Inquisition, um preview do game de zumbis Dying Light e uma partida em conjunto com os visitantes e o pessoal do site Jovem Nerd e Matando Robô Gigante no game Battlefield Hardline onde quem matasse um dos convidados na faquinha ganharia uma camiseta.

Foi nesse estande também que ocorreu a final da etapa brasileira da Capcom Pro Tour, liga mundial do game, e que teve como vencedor o paulistano Eric Moreira, conhecido como “Chuchu”, da equipe CNB.

A Nintendo e a Blizzard se ausentaram dessa edição da feira. :(